Brasil passa de 15 mil mortes por covid-19; recuperados são quase 90 mil

Movimento no Viaduto do Chá durante a quarentena
 

Dados do Ministério da Saúde deste sábado, resultado de informações repassadas pelas secretarias estaduais, mostram que o número de mortes confirmadas por covid-19 chegaram a 15.633, enquanto o de pacientes recuperados soma 89.672. As mortes representam 14,845% do total de casos encerrados e as recuperações, 85,155%. A proporção de falecimentos é de 74 por milhão de habitantes. O total de casos confirmados é de 233.142, que corresponde a 1.098 para cada milhão de habitantes.

O estado de São Paulo responde por 4.688 mortes e por 61.183 casos confirmados de contaminação. Dados da Secretaria estadual da Saúde apontam que em Guarulhos teriam sido confirmados 1.507 casos, que resultaram em 165 mortes. Segundo a Prefeitura, seriam 1.304 casos confirmados e 2.055 em investigação, com 164 mortes definidas como decorrentes da covid-19 e outras 105 a serem apuradas.



Comparação com 2019



O site Portal da Transparência – Registro Civil mostra o total de nascimentos, casamentos e óbitos de todos os cartórios de Registro do Civil do País.

Segundo esse site, entre março e abril de 2019 houve no Brasil 192.808 mortes, somando todas as causas. Em 2020, os dois meses somaram 203.529 mortes, uma diferença de 10.721 mortes, enquanto os dados do Ministério da Saúde apontam que as mortes atribuídas à covid-19 nesses dois meses somaram 5.901.

No estado de São Paulo, entre março e abril de 2019 foram registradas 48.703 mortes; nos mesmos meses de 2020, foram 54.337 mortes, diferença de 5.634, enquanto os dados da Secretaria de Saúde estadual aponta 2.375 mortes que teriam sido causadas pelo vírus.

Em Guarulhos, a soma de falecimentos entre março e abril de 2019 foi de 1.200; em 2020 nos mesmos dois meses, foram 1.393, diferença de 193 mortes, enquanto dados da Secretaria municipal da Saúde registram 68 mortes atribuídas à covid-19 e mais 26 a averiguar.

Portanto, tanto no município de Guarulhos quanto no estado de SP e no Brasil, o número de mortes atribuídas ao vírus é bem inferior à diferença verificada entre 2019 e 2020, o que leva a crer que possam ser decorrentes de outros fatores ou que haja subnotificação dos casos de contaminação, o que é provável tendo em vista os poucos testes aplicadas na população brasileira e a demora na conclusão de exames, tanto entre pessoas que faleceram quanto nas que estiveram doentes e se curaram e outras que continuam acamadas sem saber exatamente qual a razão.