SP registra 39,9 mil óbitos e 1,15 milhão casos de coronavírus

Movimento no Viaduto do Chá durante a quarentena
 

O estado de São Paulo registra nesta quarta-feira (11) 39.907 óbitos e 1.150.872 casos do novo coronavírus.

Os dados foram atualizados na manhã de hoje, após normalização do sistema de notificação do Ministério da Saúde que esteve inacessível desde a última sexta-feira (6) por problemas técnicos, segundo o governo federal.

Somente na noite desta terça-feira (10) o acesso foi restabelecido, permitindo a extração dos dados na manhã de hoje.

Entre as 39,9 mil mortes, estão inclusos 190 novos óbitos acumulados desde o dia 6, balanço possivelmente inferior ao real verificado no período, já que a instabilidade do sistema SIVEP do MS também dificultou a inserção dos óbitos pelos municípios. Com a retomada do sistema, é esperado que as prefeituras notifiquem estes óbitos “represados” durante o período de falha no SIVEP, o que pode gerar uma falsa ideia de alta de mortes nos próximos dias.

De ontem para hoje observa-se também o incremento de 3.421 novos casos. Os mais de 1,15 milhão de confirmados contabilizam o acumulado de casos leves notificados desde o dia 6 de novembro, incluindo os 21.515 casos de Síndrome Gripal relacionada à COVID-19 extraídos ontem pela pasta estadual exclusivamente com base nas informações no E-SUS, onde são notificados apenas estes tipos de casos.

Entre o total de casos diagnosticados de COVID-19, o Estado registra 1.049.348 pessoas recuperadas, sendo que 125.763 foram internadas e tiveram alta hospitalar.

As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 44,6% na Grande São Paulo e 40,8% no Estado. O número de pacientes internados é de 7.236, sendo 4.090 em enfermaria e 3.146 em unidades de terapia intensiva, conforme dados das 10h desta quarta-feira.

Hoje, os 645 municípios têm pelo menos uma pessoa infectada, sendo 591 com um ou mais óbitos. A relação de casos e óbitos confirmados por cidade pode ser consultada em: www.saopaulo.sp.gov.br/coronavirus.

Perfil da mortalidade

Entre as vítimas fatais estão 22.978 (57,6%) homens e 16.929 (42,4%) mulheres. Os óbitos permanecem concentrados em pacientes com 60 anos ou mais, totalizando 76,5% das mortes.

Observando faixas etárias, nota-se que a mortalidade é maior entre 70 e 79 anos (10.279), seguida pelas faixas de 60 a 69 anos (9.411) e 80 e 89 anos (8.174). Entre as demais faixas estão os: menores de 10 anos (53), 10 a 19 anos (72), 20 a 29 anos (331), 30 a 39 anos (1.134), 40 a 49 anos (2.604), 50 a 59 anos (5.186) e maiores de 90 anos (2.663).

Os principais fatores de risco associados à mortalidade são cardiopatia (59,9% dos óbitos), diabetes mellitus (43,2%), doenças neurológicas (10,9%), renal (9,6%), pneumopatia (8,3%). Outros fatores identificados são obesidade (8,2%), imunodepressão (5,6%), asma (3%), doenças hepáticas (2,1%) e hematológica (1,7%), Síndrome de Down (0,5%), puerpério (0,1%) e gestação (0,1%). Esses fatores de risco foram identificados em 32.112 pessoas que faleceram por COVID-19 (80,4%).

Perfil dos casos

Entre as pessoas que já tiveram confirmação para o novo coronavírus estão 536.251 homens e 608.444 mulheres. Não consta informação de sexo para 6.177 casos.

A faixa etária que mais concentra casos é a de 30 a 39 anos (271.038). As demais são: menores de 10 anos (29.200), 10 a 19 (55.992), 20 a 29 (195.511), 40 a 49 (236.736), 50 a 59 (172.248), 60 a 69 (104.593), 70 a 79 (52.960), 80 a 89 (24.848) e maiores de 90 (7.080). Não consta faixa etária para outros 666 casos.