Secretário da Saúde apela ao bom senso das pessoas

 

O médico e professor Jean Gorinchteyn, secretário estadual de São Paulo, em emocionado pronunciamento durante a coletiva em torno do início da vacinação contra a covid-19, apelou à sensibilidade das pessoas para que continuem tomando todas as precauções possíveis contra a contaminação pelo vírus.

Ele condenou as atitudes da população jovem, que vem se aglomerando em bares, em festas, baladas, churrascos, como se os mais novos estivessem livres do contágio. “Eles se aglomeram, contraem o vírus, levam para casa e matam suas famílias”, afirmou.

Os índices de crescimento do número de novos casos estão acima dos registrados nos momentos mais graves da pandemia. E tendem a provocar muito mais mortes nos próximos dias.

Cientistas que falaram insistiram na tese da necessidade de prevenção: Se não é possível voltar no tempo, corrigindo erros cometidos, que se mude o comportamento de hoje em diante. Que as pessoas se conscientizem de que suas atitudes impactam a vida dos outros: só saiam por necessidade, evitem locais com aglomeração, usem máscaras e mantenham os cuidados de higienização em todos os momentos, tanto em suas mãos e antebraços, quanto em objetos, canetas, cartões magnéticos, chaves; enfim, tudo que possa conter o vírus. Atenção também com as crianças, que são quase todas assintomáticas, mas transmitem a doença aos pais, avós e a terceiros, por intermédio de outras crianças.

Por fim, Doria respondeu a fala do ministro Eduardo Pazuello, que disse há pouco que as vacinas do Butantan teriam sido pagas com dinheiro do SUS. O governador afirmou que toda a produção das 6 milhões de doses foram custeadas pelo orçamento de SP.

Sérgio Cimerman, médico infectologista do Instituto Emílio Ribas, revelou que vem recebendo ameaças de morte, por negacionistas que defendem medicações inadequadas no combate à doença.