Enfermeira do Emílio Ribas é a primeira vacinada contra a covid no Brasil

A enfermeira Mônica Calazans é a primeira brasileira a ser vacinada contra a covid-19 - Foto: Divulgação/Governo do Estado de SP
 

A enfermeira Mônica Calazans, que trabalha na UTI do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, foi a primeira pessoa brasileira a ser vacinada contra a covid-19.

A aplicação se deu às 15h30 deste domingo, 17/01, logo após os cinco diretores da Anvisa (Agência Nacional da Vigilância Sanitária) votarem por unanimidade a favor da liberação emergencial das vacinas Coronavac, da chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, e da Oxford/AstraZeninca, em parceria com a Fiocruz.

Mônica é diabética, hipertensa e obesa; portanto, três comobirdades agravantes para quem contrair o vírus. Assim, ela representa vários grupos de risco para a covid-19.

Segundo afirmou em entrevista coletiva o governador João Doria, neste domingo começam a ser vacinados médicos e enfermeiros do Hospital das Clínicas. Ao mesmo tempo, as doses da Coronavac começam a ser transportadas ao depósito do Ministério da Saúde, em Guarulhos, para distribuição a todos os estados brasileiros. A partir desta segunda-feira, 18, a vacinação terá início o plano logístico para distribuição das doses aos hospitais das clínicas de São Paulo, Ribeirão Preto, Campinas e em outras cidades paulistas.

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, informou que, de acordo com o que foi definido pelo Ministério da Saúde, estão sendo entregues à área federal 4.636.936 doses da Coronovac, única vacina disponível neste momento no Brasil. Como havia 5.994.576 doses disponíveis, o Estado de S.Paulo ficará com 1.357.640 doses.

Mônica Calazans incentivou a população a vacinar-se e agradeceu pela oportunidade de ser a primeira vacinada. Disse ter orgulho de sua profissão, ter sido vítima de chacotas por defender a vacina e participar da pesquisa para sua implementação. Mas que está em paz com sua consciência por ter contribuído com a ciência.