Projeto da UFSCar atende mulheres que passaram por cirurgia de câncer de mama

 

Uma pesquisa desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PPGEnf) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) está convidando mulheres que já passaram por cirurgia de câncer de mama para participarem de sessões de mindfulness (atenção plena) com o objetivo de avaliar e tratar possíveis consequências da doença. O projeto, pautado no programa “Promoção da saúde baseada em mindfulness“, é desenvolvido pelas pesquisadoras Daniela Xavier de Souza, psicóloga, e Mônica Jordão, enfermeira, sob orientação da professora Priscilla Hortense, do Departamento de Enfermagem (DEnf) da UFSCar, e coorientação de Marcelo Demarzo, docente do Departamento de Medicina Preventiva da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).
De acordo com Souza, o mindfulness estimula a capacidade de estar atento ao momento presente de maneira intencional, com abertura, curiosidade e aceitação da própria experiência. É uma capacidade inerente a todo ser humano, em maior ou menor grau; no entanto, “essa capacidade é pouco exercitada, em especial nos dias atuais, em que nossa sociedade considera comum e até desejável a realização de tarefas simultâneas e automáticas”, explica. A psicóloga diz que, embora a origem do mindfulness remeta a tradições religiosas orientais, essa estratégia terapêutica é secular, com sólida base científica, sem alusões a religiões ou culturas específicas. O responsável pela divulgação do conceito no Ocidente foi o psiquiatra Jon Kabat-Zinn, da Universidade de Massachusetts, nos Estados Unidos. 
Souza aponta também que, “apesar da taxa de sobrevivência ao câncer ter evoluído muito nos últimos anos, as diversas consequências do adoecimento e do tratamento acompanham as pessoas por muito tempo, afetando a qualidade de vida de quem venceu a doença”. Nesse contexto, as intervenções baseadas em mindfulness têm se mostrado promissoras para o manejo dos sintomas remanescentes pós-cura. Além dessa aplicação, os recursos da atenção plena têm sido empregados no tratamento de condições como ansiedade, estresse, tabagismo e dor.
As atividades da pesquisa serão realizadas online e têm como objetivo verificar os efeitos do programa de intervenção baseado em mindfulness na qualidade de vida, imagem corporal, autocompaixão, severidade e interferência da dor, catastrofização da dor, estresse e nível de atenção plena em mulheres que apresentam dor após a realização da cirurgia para o câncer de mama. 
A enfermeira Mônica Jordão destaca que, para realizar a pesquisa, estão sendo convidadas voluntárias com 18 anos ou mais, que tenham sido submetidas à cirurgia para câncer de mama, encerrado o tratamento quimioterápico e/ou radioterápico há pelo menos seis meses, que tenham dor relacionada à cirurgia há pelo menos seis meses do pós-operatório e que possuam computador, celular ou tablet com acesso à internet. Além disso, elas não podem ter diagnóstico médico de doenças reumatológicas associadas a quadros de dor crônica; ter alguma prática atual ou nos últimos seis meses que inclua estados contemplativos (ioga, meditação, mindfulness); ter transtorno psiquiátrico grave ou qualquer tipo de demência; e estar em recidiva do câncer de mama, em metástase ou qualquer outro tipo de câncer.
As participantes passarão por uma triagem online para verificação dos critérios de elegibilidade e, em seguida, serão divididas em dois grupos, aleatoriamente: um que irá participar do programa de intervenção baseado em mindfulness logo no primeiro momento e outro que irá participar em um segundo momento. As voluntárias também receberão, por e-mail ou aplicativo de mensagem, um link contendo questões referentes às variáveis estudadas para serem respondidas em pontos estratégicos durante a pesquisa.
Informações sobre o estudo podem ser acessadas neste vídeo (https://bit.ly/2XF6ZCV) e as interessadas em participar devem entrar em contato com as pesquisadoras pelo WhatsApp (16) 99711-1827 ou pelo e-mail cirurgiademama@gmail.com até o final do mês de outubro de 2021. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFSCar (CAAEs: 32321020.0.0000.5504 e 32268120.3.0000.5504)