Pais devem estar atentos às doenças infecciosas de verão

 

Mesmo em isolamento social, com a chegada do verão, nem sempre é possível escapar de algumas doenças típicas da estação que na maior parte são transmitidas por vírus e ou bactérias.

Entre as mais comuns estão:

  • infecções gastrointestinais:  costumam provocar diarreia e vômito e ocorrem pela ingestão de água e alimentos contaminados, manipulados em locais sem boa higiene ou conservados fora da temperatura recomendada.
  • hepatite A:  deixa a pele e os olhos amarelados, além de provocar náuseas e vômitos. Para se proteger do vírus da hepatite A, além dos cuidados com a ingestão de água tratada e alimentos de origem confiável, há a vacina, que deve ser aplicada nas crianças a partir dos 12 meses.
  • conjuntivites: os sintomas são vermelhidão, inchaço, coceira e sensação de ardência nos olhos e o contágio ocorre de pessoa para pessoa pelo contato com secreções oculares transmitidas pelas mãos, toalhas, lenços ou água da piscina.

No verão também é importante ficar atento à Dengue. Transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, ele se prolifera a partir de água da chuva parada, em recipientes abertos (garrafas, vasos de planta, pneus velhos, piscinas).  Os principais sintomas da doença são febre e dor no corpo.

“Não existe uma receita única para a prevenção de todas essas doenças. Para algumas existe vacina, para outras manter uma boa higiene das mãos e fazer boas escolhas na hora de alimentar as crianças são fundamentais para protegê-las”, destaca o destaca o Dr. Francisco Ivanildo oliveira – infectologista e gerente médico do Sabará Hospital Infantil.

“Com o avanço da tecnologia, independentemente do local em que a criança esteja, é possível agendar uma consulta por Telemedicina para avaliação dos sintomas e condução do tratamento, à distância, mas com toda a estrutura e qualidade necessárias para um bom resultado de cuidados”, ressalta o Dr. Thales Oliveira, supervisor do Pronto-Socorro do Sabará Hospital Infantil.