Cursos na área de tecnologia são oportunidades para entrar no mercado de trabalho

 

Mesmo com a crise econômica gerada pela pandemia, o setor de tecnologia está crescendo devido ao aumento do comércio eletrônico criado pelo isolamento social e de outras atividades digitais, como entrega de alimentos, aulas e até mesmo a telemedicina. Segundo dados da Brasscom (Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), estima-se este ano a criação de 65 mil vagas de trabalho no setor.

Para quem começar os estudos agora, a perspectiva é das melhores. Ainda de acordo com a Brasscom, até 2024 a procura por profissionais de Tecnologia da Informação (TI) será de 420 mil pessoas, e o Brasil forma 46 mil pessoas por ano.

Entre os cargos em alta estão cientista de dados, desenvolvedor.NET, devOps, web developer e programador ADVPL.Só que a mão de obra precisa ser qualificada. Acompanhando essa tendência, a São Judas criou para 2021 novos cursos de graduação e técnicos na área de tecnologia. São eles: Defesa Cibernética, Redes de Computadores, Segurança da Informação, Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Ciência da Computação, Gestão da Tecnologia da Informação, Sistemas de Informação e Banco do Dados: Data Science, Big Data e BI.

Segundo a coordenadora da área de Tecnologia da São Judas, Débora Agráz, este mercado está em alta e a tendência é de mais crescimento. “A tecnologia já era uma área promissora, pois todas as modernidades e comodidades que temos hoje vêm de um desenvolvimento contínuo. Agora, nessa situação de pandemia, esta área se comportou de uma maneira marcante”.

Segundo o professor Mário Sérgio Rocha, que atua nas disciplinas de Usabilidade, Desenvolvimento Web, Mobile e Jogos, Gestão e Qualidade de Software e Programação de Soluções Computacionais da instituição, o interesse pelos cursos na área de tecnologia cresceu e não somente entre jovens, mas também entre adultos e até idosos.

Conhecimento – “Todos estão buscando conhecimento melhor desta área, até porque, não se faz mais nada sem tecnologia. É um caminho sem volta. Mesmo naquelas áreas que não são de tecnologia, os profissionais têm que se adequar no conhecimento tecnológico  sob o risco de perderem seus empregos”, acredita Rocha.

Ele diz que a maior parte dos alunos destes cursos gosta da área de Exatas, mas que isso não é uma determinante. “Tive alunos de Humanas e até da Saúde que se adaptaram bem e convergiram para a carreira na área tecnológica. A tecnologia faz parte do nosso dia a dia, as crianças já têm acesso a ela ainda pequenas e isso desperta o interesse”.