sábado, 13 agosto 2022
PUBLICIDADE
InícioDESTAQUESem consenso, votação da PEC Emergencial é adiada para terça-feira

Sem consenso, votação da PEC Emergencial é adiada para terça-feira

 

Sem consenso e em meio a pressões de vários partidos, a Proposta de Emenda à Constituição 186/2019, a chamada PEC Emergencial, continua na pauta da sessão plenária desta tarde no Senado, mas apenas para que a discussão da matéria comece. “Hoje [o texto] vai ser lido para que na terça ele possa ser votado”, informou o relator, senador Márcio Bittar (MDB-AC).

A PEC Emergencial cria mecanismos de ajuste fiscal para União, estados e municípios.

O nó do debate está no trecho da proposta que acaba com os mínimos constitucionais para gastos com saúde e educação. A solução apresentada na última segunda-feira (22) pelo relator, com aval da equipe econômica para garantir recursos voltados ao auxílio, gerou reação entre parlamentares e organizações da sociedade civil.

Se essa desvinculação de receitas for aprovada, como sugeriu Bittar, o Congresso Nacional terá que definir os repasses mínimos para saúde e educação a cada ano.

Nesta manhã, em reunião com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), lideres partidários pressionaram para que o tema não seja votado hoje. Bittar não participou diretamente do encontro e deu sinais de que não pretende recuar na ideia da desvinculação.

Segundo o senador, nesse debate “há uma ditadura do pensamento único”, imposto por corporações “que dominam as universidades e as escolas no país. “São elas que determinam a educação no Brasil. Não é o prefeito, não é o governador, não é o presidente da República. Elas fazem uma contracampanha a essa proposta, muitas vezes mentindo descaradamente, por exemplo, que vão tirar dinheiro da educação. A proposta não tira um centavo do orçamento de ninguém. O que nós queremos fazer é restabelecer o estado democrático”, sustentou.

Auxílio emergencial

O impasse deve atrasar a retomada do pagamento do auxílio emergencial. Desta vez, a ideia é que até R$ 250 fossem pagos de março a julho, mas a medida depende da aprovação da PEC.

“O Brasil vai dar um sinal de que não abandona esses brasileiros que precisam do Estado para se alimentar, mas isso tinha que ser feito no mesmo movimento, também aumentando o rigor fiscal, e é isso que estamos conseguindo”, afirmou Márcio Bittar.

*Com informações da Agência Brasil

PUBLICIDADE
- PUBLICIDADE -

SIGA/CURTA

28,870FãsCurtir
3,337SeguidoresSeguir
1,613SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever

VEJA TAMBÉM

Operação da Receita contra fraudes em notas fiscais inclui Guarulhos

A Receita Federal deflagrou nesta quarta-feira, 10/8, a Operação Plástico Quimérico, cumprindo 18 mandados de busca e apreensão nos estados de Alagoas e São...

Câncer x cigarro eletrônico: dispositivos são tão prejudiciais quanto cigarro tradicional, aponta oncologista

O aumento do consumo de cigarros e dispositivos vape vem levando a intensos debates entre a comunidade médica e científica quanto aos riscos de retrocesso nos...

Academia Guarulhense de Letras dá posse a novos membros na Bienal do Livro

Em solenidade a ser realizada na noite deste sábado, 13/8, no Auditório Amarelo da 2ª. Bienal do Livro de Guarulhos, a Academia Guarulhense de...

Supermercado Fonte Nova tem vagas de emprego no Bom Clima

A rede de supermercados Fonte Nova está preparando a inauguração de sua nova loja no Bom Clima e, para isso, está recrutando profissionais para...

Estação da Luz da CPTM recebe ação de conscientização no Dia de Combate ao...

Para destacar a importância do Dia de Combate ao Colesterol, a CPTM realiza ação em parceria com a Associação de Diabetes Juvenil no dia...