Coluna do Carleto – 30.04.2021

 

VACINAÇÃO DE SERVIDORES
O deputado federal Alencar Santana (PT) representou ao Ministério Público para apurar o destino de 9 mil doses de vacinas contra a covid em Guarulhos, destinadas a servidores públicos, tendo em vista resposta que o parlamentar recebeu do governo municipal, cujos números conflitam com os informados pelo sindicato da categoria. O MP informou que irá analisar o caso para definir se fará investigação a respeito.

PREFEITURA ESCLARECE
Questionada, a Assessoria de Imprensa da Secretaria da Saúde respondeu: “A denúncia ao MP se baseou em um erro de digitação na resposta ao deputado. A Prefeitura não aplicou 9 mil doses a menos. Até dia 24 de fevereiro, data em que a Secretaria Municipal de Saúde respondeu ao ofício, em vez dos 20.029 informados erroneamente, que se referem à totalidade de trabalhadores da saúde, Guarulhos tinha vacinado 5.377 servidores públicos municipais da Saúde. Os demais são funcionários de hospitais estaduais e terceirizados empregados em organizações sociais que prestam serviços ao Município, além de funcionários de clínicas e consultórios privados imunizados nos polos de vacinação, seguindo a determinação do Plano Nacional de Imunização. A Secretaria de Saúde fez a retificação e prestará as informações necessárias, já que não houve – em hipótese alguma – qualquer desvio na
aplicação das doses”.


CAUTELA E CANJA…

Mesmo contrariando orientação do Ministério da Saúde e do governo estadual, o então secretário da Saúde de Guarulhos José Mário Stranghetti Clemente recusou-se a usar todas as doses da vacina contra a covid recebidas, por não ter confiança de que a segunda dose seria entregue em tempo hábil. Algumas vezes, foi criticado por isso. Vê-se que fez o certo, pois cidades de 18 estados brasileiros, inclusive as paulistas Praia Grande, Cajamar e Vinhedo, viram-se em apuros, pois chegado o momento de aplicar a segunda dose, não havia vacinas disponíveis para tal.

CRITÉRIO MUDOU
Já o novo titular da Secretaria, Michael Rodrigues de Paula, resolveu mudar o critério e usar todas as vacinas disponíveis para aplicar a primeira dose no maior número possível de pessoas, confiando que novas remessas ocorram sem problemas. Tomara que dê tudo certo.

CAIU DO CAVALO
Quando apresentou proposta de emenda ao Código de Proteção Animal, autorizando o uso de charretes, o vereador Edmilson Souza (Psol) não esperava levar tanta patada da opinião pública. A reação dos grupos de protetores foi mais virulenta e organizada do que poderia imaginar. Seus argumentos em defesa do projeto, alegando que charretes só transportam duas pessoas, que isso é uma tradição na cidade e que há centenas de guarulhenses que ainda precisariam utilizá-las nas áreas rurais da cidade não convenceram. A ativista Luísa Mell veio a Guarulhos para falar com o prefeito Guti e saiu do gabinete com a promessa de que o projeto não seria sancionado.


FIRME NA SELA

Enquanto há vereadores que votaram a favor do projeto e já anunciam que votarão para manter o veto, diante da reação da opinião pública, Edmilson afirma que manterá sua posição, pois, do contrário, seria hipocrisia. Acha incoerência quem é contra charretes não se incomodar com o uso de cavalos pela Polícia Militar, em situações de confronto e estresse. Ele defende,
inclusive, o fim do canil da GCM, por não ver necessidade de mantê-lo.


FIDELIDADE CANINA?
Embora eleito pelo PSDB, que teve como candidata à Prefeitura a empresária Fran Corrêa, o vereador Geleia mostra pouca consistência, pois converteu-se rapidamente ao gutismo. Confundindo alhos com bugalhos, envolveu-se em bate-boca
com o presidente da Câmara, Martello, defendendo o prefeito com unhas e dentes, assim como fez ao governador João Doria em uma das primeiras sessões. Martello tem pregado a autonomia do Legislativo, em vários temas, com ênfase à manutenção da
Proguaru, com o devido enxugamento.