domingo, 28 novembro 2021
- PUBLICIDADE -
InícioDESTAQUEDispensa comunicada pelo empregador via WhatsApp vale como prova da ruptura do...

Dispensa comunicada pelo empregador via WhatsApp vale como prova da ruptura do contrato de trabalho

Decisão em 2º grau da Justiça do Trabalho de São Paulo confirmou como válida a dispensa de uma educadora de escola infantil feita por meio do aplicativo de mensagens WhatsApp. Ela desempenhava a função de coordenadora pedagógica e, no recurso, pedia alteração da data de término do contrato e que fosse declarada a rescisão indireta, ou seja, quando o contrato pode ser rompido após falta grave do empregador.

A educadora alegou que conversas por WhatsApp com sua supervisora tratavam da “suspensão” do contrato de trabalho a partir de 2 de abril de 2020. Defendeu que o aviso-prévio não poderia ser substituído por simples mensagem, o que invalidaria a rescisão. Argumentou, ainda, que a baixa da carteira de trabalho pelo sistema eSocial foi ato unilateral da empresa. Assim, pedia que a ruptura do contrato fosse considerada em 18 de agosto de 2020 (data do ajuizamento da ação), condenando o empregador ao pagamento dos salários devidos entre abril e agosto, além das verbas rescisórias.

Para os magistrados da 18ª Turma, no entanto, houve prova legal no processo sobre o encerramento do contrato na data da comunicação eletrônica feita à trabalhadora. O argumento recursal de que a empregada não teve acesso à carteira digital foi considerado irrelevante pelos magistrados, “vez que seu uso passou a ser obrigatório e plenamente válido no âmbito das relações de emprego”, pontuou trecho do acórdão, de relatoria da desembargadora Rilma Aparecida Hemetério.

Sobre a comunicação da rescisão, o colegiado considerou que o aplicativo de mensagens WhatsApp é uma ferramenta de comunicação como qualquer outra. E que se tornou um grande aliado, especialmente no ano de 2020, durante a pandemia do novo coronavírus, com a necessidade de isolamento social recomendado pelo governo do estado naquele período. “As mensagens trocadas por esse instrumento são amplamente aceitas como meio de prova nos tribunais”, afirmou a desembargadora-relatora.

Dessa forma, a 18ª Turma do Regional manteve a decisão do juiz do trabalho Helder Bianchi Ferreira de Carvalho, titular da 8ª Vara do Trabalho da Zona Leste, e negou provimento ao recurso da reclamante.

(Processo nº 1001180-76.2020.5.02.0608)

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

SIGA/CURTA

28,891FãsCurtir
1,510SeguidoresSeguir
1,491SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever

VEJA TAMBÉM

Feira de adoção de pets na Associação dos Rotarianos acontece no sábado

O Departamento de Proteção Animal (DPAN) de Guarulhos realiza neste sábado (27), das 13h às 16h, evento de adoção de cães e gatos e...

SP registra 4,43 milhões de casos e 153,5 mil óbitos por Covid-19

O Estado de São Paulo registra nesta terça (23) 4.432.720 casos de Covid-19 durante toda a pandemia e 153.571 óbitos. Entre o total de casos,...

Feirão ‘Limpa Nome’ da Serasa renegocia dívidas com mais de 100 empresas; saiba como...

De hoje (23) a 27 de novembro, seis capitais do país irão participar da 26ª edição do Feirão Serasa Limpa Nome possibilitar a renegociação...

Anvisa recebe pedido para uso emergencial de medicamento contra Covid

O molnupiravir, medicamento para combate à Covid-19, teve o seu pedido de uso emergencial apresentado, nesta sexta-feira (26), à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pela...

Ensino remoto dificultou preparação, diz estudante ao chegar para Enem

As amigas e colegas de turma, Geovanna Rodrigues, 18 anos, e Fernanda de Paula, com a mesma idade, chegaram cedo à Universidade do Estado...