quinta-feira, 24 de junho de 2021
InícioCANAISBEM-ESTARQuais os sinais que indicam se sua fome é emocional

Quais os sinais que indicam se sua fome é emocional

A pesquisa Diet & Health Under Covid-19, realizada com respondentes de 30 nações em todo o mundo, colocou as pessoas do Brasil em primeiro lugar entre as que mais acreditam ter engordado na pandemia. 52% declararam ter aumentado de peso desde o início da disseminação da Covid-19 no país. No Brasil, foram 6,5 kg quilos a mais.

O aumento de peso se deve, em grande parte, aos transtornos alimentares gerados ou agravados ao longo da pandemia. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a compulsão alimentar atinge cerca de 2,5% da população mundial. No Brasil, 4,7% da população tem algum tipo de transtorno alimentar, sendo mais recorrente entre jovens de 14 a 18 anos. Cerca de 49% das pessoas que apresentam o transtorno são obesas, sendo que 15% são obesas mórbidas. 

Um dos maiores transtornos alimentares, o comer emocional, está associado a hábitos condicionados pelo nosso humor. Nestes casos, a pessoa não come por fome ou por uma necessidade fisiológica, mas para satisfazer as necessidades emocionais. “Quando uma pessoa está se sentindo ansiosa e devora um pote de sorvete sozinha, o prazer é instantâneo. Ou seja, a recompensa e a sensação imediata de bem-estar ajudam a reduzir a ansiedade”, justifica Flávia Teixeira, psicóloga, mestre em Saúde Coletiva pela UFRJ, especialista em Transtornos Alimentares pela USP e pós-graduada em Psicossomática Contemporânea. 

Segundo a psicóloga, comer sem estar com fome, sem prestar atenção no alimento, é um hábito muito comum nos estados de ansiedade, como um mecanismo de enfrentamento que pode diminuir temporariamente emoções indesejadas, e há uma série de razões por trás deste comportamento: 

Dificuldade de lidar com as emoções

Muitas pessoas não conseguem lidar sozinhas com suas emoções. E não podemos culpa-las, pois não é fácil mesmo. Mas, há várias formas de resolver a questão: fazer terapia, conversar com amigos ou familiares. “É essencial entrar em contato com o que sentimos, entender o que desencadeia e o que fazer com este sentimento. Temos sempre alguns sinais internos de que há algo em nossa vida que precisamos mudar ou melhorar. Um bom manejo emocional, no qual encontramos uma saída satisfatória para nossas emoções, diminuirá nossos níveis de angústia e tensão e, portanto, nossa necessidade de comer”, afirma Flávia Teixeira. 

Pseudo autocontrole

Passar o dia todo tentando controlar a vontade de comer pode ser um tiro no pé e levar a um episódio de compulsão. Em um determinado momento, a pessoa cede e acaba comendo grandes quantidades de comida em um espaço muito pequeno de tempo. Pior: não consegue parar de comer, mesmo já tendo a sensação de saciedade e o desconforto abdominal pela ingestão exagerada. Normalmente, prefere alimentos ricos em açúcar e carboidratos, pois oferecem a sensação rápida de prazer. 

Comida como fonte exclusiva de prazer

Experimentar uma nova iguaria e se deliciar é totalmente natural e faz parte do nosso processo alimentar. “Entretanto, se a pessoa descobre naquele alimento uma fonte exclusiva de satisfação, a ponto de estocar o item em casa e come-lo em grande quantidade todo dia para se sentir bem, isso só levará a pessoa a uma espiral de problemas”, pontua a psicóloga. 

Como diferenciar a fome fisiológica da emocional

A fome emocional tende a aparecer de repente e com uma intensidade tão alta que, na maioria dos casos, é muito difícil resistir e diferenciá-la da fome física. “Comer, muitas vezes, serve como mecanismo de distração para escapar da realidade, como se fosse uma forma de aliviar as dores momentâneas”. 

Para identificar a fome emocional, a psicóloga reforça alguns sinais:

– Aparece inesperadamente

– Comemos automaticamente, sem estar ciente do tempo ou das quantidades

– Geralmente, queremos um tipo específico de comida ou refeição, quase sempre alimentos gordurosos ou com açúcar

– Não nos sentimos saciados

– Depois de comer, sentimos culpa, arrependimento ou vergonha 

“Uma vez percebida que a sensação de fome não é física, mas emocional, e que a ansiedade é o que está lhe favorecendo a não resistir ao ataque compulsivo à comida, é hora de procurar ajuda. Afinal, ninguém consegue dissociar o emocional do biológico sem um tratamento adequado”, finaliza Flávia Teixeira.

Flávia Teixeira, psicóloga, mestre em Saúde Coletiva pela UFRJ, especialista em Transtornos Alimentares pela USP e pós-graduada em Psicossomática Contemporânea
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

SIGA/CURTA

28,891FãsCurtir
1,510SeguidoresSeguir
1,372SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever

VEJA TAMBÉM

Feal promove evento Online Doenças Mentais: As Causas Espirituais e o Efeito da Pandemia

Como anda a sua saúde psíquica em tempos de pandemia? Você tem se sentido mais estressado, ansioso ou deprimido ultimamente?  Se você deseja encontrar respostas...

Auxílio emergencial: beneficiários do Bolsa Família recebem hoje

A Caixa paga a terceira parcela do auxílio emergencial 2021 para os beneficiários que fazem parte do Bolsa Família com número do NIS (Número...

Guarulhos libera hoje a vacinação a partir de 43 anos sem agendamento

O prefeito de Guarulhos, Guti (PSD) anunciou em suas redes sociais que o Dia D de Vacinação contra a Covid-19, neste sábado, contempla também...

27% das mortes por Covid no estado de SP foram registradas em dois meses...

O estado de São Paulo completa nesta semana dois meses desde que a nova fase de reabertura de comércio e serviços, a chamada fase...

Transporte público de Guarulhos pode ter greve nesta segunda

Embora não tenha respondido pedido de informações enviado pelo Click Guarulhos, nem tenha explicitado em suas redes sociais, o Sincoverg - Sindicato dos Condutores...