domingo, 23 janeiro 2022
InícioDESTAQUEPrivatização da Eletrobras é a maior do país, diz ministério

Privatização da Eletrobras é a maior do país, diz ministério

 

A Secretaria de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia publicou nota em que afirma que a aprovação da Medida Provisória 1.031/2021 pelo Congresso Nacional, que prevê a privatização da Eletrobras, “representa um momento histórico para o país e chega com 26 anos de atraso”. A primeira tentativa de privatização da empresa ocorreu em 1995.  
 
O texto base da MP, aprovada na Câmara na segunda-feira (21), prevê, entre outras medidas, a emissão de novas ações da Eletrobras, a serem vendidas no mercado sem a participação da empresa, resultando na perda do controle acionário de voto mantido atualmente pela União. A matéria segue, agora,  para sanção do presidente Jair Bolsonaro.
 
Segundo a nota, o texto final aprovado pelo Legislativo traz “expressivas vantagens ao consumidor”, pois a operação pode representar cerca de R$ 100 bilhões aos cofres públicos e promover a reorganização do setor elétrico brasileiro por meio de benefícios como a “redução das garantias físicas das usinas renovadas e as obras de revitalização das bacias; além do direcionamento de mais de R$ 40 bilhões para a CDE [Conta de Desenvolvimento Energético] em benefício da modicidade tarifária de todos os consumidores”.

A estimativa do Ministério de Minas e Energia é de redução de 6,3% na tarifa de energia para por todos os brasileiros. “Em que pese esse número ainda tenha que ser revisado, a partir das alterações finais do texto, fica evidente que a redução tarifária será expressiva”, diz a nota.
 
Ainda de acordo com a nota, sobre o uso das termelétricas de base, considerada a “questão mais polêmica” levantada ao longo da tramitação da MP, os custos de para a construção de eventuais gasodutos estarão embutidos no valor do preço-teto do leilão. Conforme a nota, a proposta das térmicas reduz tarifa e traz segurança ao sistema.

“Esse valor compreende a operação completa: construção da térmica e eventual gasoduto; a contratação do bloco de gás possibilitará o deslocamento das termelétricas a óleo diesel, que custam três vezes o preço-teto proposto e são muito mais poluentes”, destaca.

OUTRAS OPINIÕES

No entanto, ainda que elogiando a capitalização da empresa pela iniciativa privada, técnicos do setor, como David Zylberstein, que dirigiu a Agência Nacional de Petróleo de 98 a 2001, condenam os “jabutis” que foram incluídos na Medida Provisória, como a exigência de adquirir energia de fontes que dependem de gás, em regiões não dotadas de gasodutos, o que exigirá vultosos investimentos, o que acabará gerando aumento no custo da energia elétrica para o consumidor. No jargão político, jabutis são artigos incluídos na legislação com temas estranhos ao conteúdo original.

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

SIGA/CURTA

28,870FãsCurtir
2,828SeguidoresSeguir
1,505SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever

VEJA TAMBÉM

Aprender um novo idioma faz bem à saúde

O aprendizado de novas capacidades, além de contribuir para uma melhor inserção social do indivíduo, torna mais eficiente a aplicação de testes neuropsicológicos para...

Crianças sem comorbidades podem se inscrever para xepa de vacina em SP

Famílias com crianças de 5 a 11 anos de idade sem comorbidades podem cadastrar os filhos para que recebam as doses remanescentes da vacina...

SP inicia vacinação de crianças com comorbidades na segunda-feira

A prefeitura de São Paulo inicia na próxima segunda-feira (17), a partir das 8h, a vacinação das crianças de 5 a 11 anos de...

Três UBSs serão abertas pelo Saúde Agora neste sábado

No próximo sábado (22) as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) Pimentas, Marcos Freire e Vila Barros estarão abertas para atender a população das 8h às 16h...

Presidente visita Suriname para negociar acordos bilaterais

O presidente da República, Jair Bolsonaro, está no Suriname, em visita oficial, para tratar com o presidente do país vizinho, Chandrikapersad Santokhi, de acordos...