PUBLICIDADE
InícioDESTAQUEGoverno Bolsonaro queimou medicamentos de alto custo para doenças raras

Governo Bolsonaro queimou medicamentos de alto custo para doenças raras

Publicado em
PUBLICIDADE

O governo de Jair Bolsonaro (PL) incinerou pelo menos 13,5 milhões de reais em medicamentos de alto custo utilizados no tratamento de doenças raras. A informação foi revelada pelo jornal Folha de S. Paulo desta quinta-feira, 16.

De acordo com o levantamento, realizado com base em um pedido de Lei de Acesso à Informação, há na lista de remédios queimados pela gestão de Bolsonaro duas doses de Spinraza, um remédio para atrofia muscular espinhal (AME) que custa 160 mil reais a dose.

 

Entre os medicamentos para doenças raras incinerados pela última gestão estão ainda quase mil doses de Translarna, que são usados no tratamento de distrofia muscular de Duchenne. Ao todo, o lote descartado passa de 2,7 milhões de reais.

O governo Bolsonaro também incinerou medicamentos para diferentes tipos de mucopolissacaridose. O lote queimado pela última gestão está avaliado em cerca de 2,9 milhões de reais, informa a reportagem.

A lista disponibilizada pelo jornal mostra ainda 259 doses de Betagalsidase, para doença de Fabry, indo para o lixo. No total, são quase 2,5 milhões de reais desperdiçados. O mesmo aconteceu com o remédio Eculizumabe, em que 127 unidades ao custo de 1,7 milhão de reais foram descartadas

A gestão anterior, ainda segundo o levantamento, incinerou 1 milhão de reais de Alfagalsidase e 1,1 milhão de reais em Metreleptina. O descarte ainda conta com mais de mil doses de Nitisinona, usada no tratamento de tirosinemia hereditária do tipo 1. Duas doses de Alentuzumabe e uma de Kanuma ainda estão na lista. Juntos, o custo das 3 doses beira 80 mil reais.

As causas para o descarte dos medicamentos não estão claras. A mais provável é que a gestão deixou os itens passarem do prazo de validade. A lista, porém, não traz essa informação. É possível, por exemplo, que remédios tenham sido inutilizados por falta de armazenamento adequado ou mesmo não terem sido aprovados em testes de controles.

Má gestão?

Entidades do setor apontam má gestão do governo Bolsonaro no caso. O tema de doenças raras, vale lembrar, foi usado como bandeira de campanha do ex-capitão, em especial no papel desempenhado por Michelle Bolsonaro ao longo dos últimos 4 anos.

Ao jornal, pacientes que fazem uso do medicamento classificaram a queima dos medicamentos como ‘desastre’, já que boa parte dos remédios queimados não estão na lista do SUS e deveriam ter sido distribuídos pelo último governo para atender decisões judiciais.

Em nota, o Ministério da Saúde disse que o desperdício de vacinas, medicamentos e outros insumos “reflete o descaso do governo anterior”. A pasta se comprometeu a pactuar acordos com estados e municípios para evitar que a situação se repita.

Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE
Redes Sociais
28,870FãsCurtir
3,337SeguidoresSeguir
1,683SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever
PUBLICIDADE

Últimas publicações

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE