PUBLICIDADE
InícioABASTECIMENTOBrasil: 130 mil internações por doenças associadas à falta de saneamento em...

Brasil: 130 mil internações por doenças associadas à falta de saneamento em 2021

Publicado em
PUBLICIDADE

A precariedade dos serviços de água e esgotamento sanitário impacta diretamente na vida de milhares de brasileiros, principalmente na saúde dessas pessoas. No país, aproximadamente 35 milhões de habitantes não têm acesso à água potável e quase 100 milhões sofrem com a ausência de coleta de esgoto — enquanto apenas 51,2% dos esgotos do país são tratados, isto é, são mais de 5.522 piscinas olímpicas de esgoto sem tratamento despejadas na natureza diariamente. Como um dos impactos na saúde, a carência de serviços de coleta e de tratamento de esgoto, fomenta infecções gastrointestinais e doenças transmitidas por mosquitos e animais. Além disso, o descarte irregular do esgoto e a ausência de água tratada provocam doenças que afetam diretamente a qualidade de vida de crianças, jovens e adultos.

Dados do DataSUS 2021, presentes no Painel Saneamento Brasil, plataforma do ITB que apresenta diversos indicadores relacionados aos serviços de saneamento básico de 893 localidades do país, mostra que houve quase 130 mil hospitalizações em decorrência de doenças de veiculação hídrica. A incidência foi de 6,04 casos por 10 mil habitantes, o que gerou gastos ao país de cerca de R$ 55 milhões.

 

Tabela 1 – Indicadores de saneamento e saúde nas regiões brasileiras em 2021

LocalidadeInternações por doenças de veiculação hídrica
(Nº de internações) (2021)
Incidência de internações por doenças de veiculação hídrica
(por 10 mil habitantes) (2021)
Despesas com internações por doenças de veiculação hídrica
(R$) (2021)
Óbitos por doenças de veiculação hídrica
(Número de óbitos) (2021)
Brasil128.9126,0454.791.900,151.493
Região Norte25.02613,249.398.215,47163
Região Nordeste59.00210,2323.304.042,68583
Região Sudeste20.8132,3211.327.722,35397
Região Sul12.7194,185.960.959,63222
Região Centro-Oeste11.3526,804.800.960,02128

Fonte: DataSUS 2021/ Painel Saneamento Brasil

Cumprir com as metas de universalização do saneamento básico no país irá trazer benefícios líquidos na ordem de R$ 815,7 bilhões de reais em 19 anos (2021-2040). Nesse período, estima-se que o valor presente da economia total com a melhoria das condições de saúde da população brasileira seja de R$ 25,1 bilhões, o que resultaria num ganho anual de R$ 1,25 bilhão, como é evidenciado no estudo “Benefícios Econômicos e Sociais da Expansão do Saneamento Brasileiro 2022”, feito pelo Instituto Trata Brasil em parceria com a consultoria EX ANTE.

Além das implicações imediatas sobre a saúde e a qualidade de vida da população, a falta de água potável e de coleta e tratamento de esgoto têm impacto direto sobre o mercado de trabalho e sobre as atividades econômicas que dependem de boas condições ambientais para o seu pleno exercício. Sendo assim, a precariedade do saneamento impacta diretamente as atividades cotidianas do cidadão, como por exemplo, a produtividade do trabalho e o desempenho dos estudantes, o que, a longo prazo, terá efeitos expressivos sobre a renda das famílias.

Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE
Redes Sociais
28,870FãsCurtir
3,337SeguidoresSeguir
1,683SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever
PUBLICIDADE

Últimas publicações

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE