PUBLICIDADE
InícioCANAISSAÚDEMédicos apontam que pessoas com calvície tem mais risco de desenvolver câncer...

Médicos apontam que pessoas com calvície tem mais risco de desenvolver câncer de pele

Publicado em
PUBLICIDADE

Dermatologistas do Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE) destacam uma preocupante correlação entre a calvície e o aumento do risco de câncer de pele. Segundo eles, a falta de cabelo expõe diretamente o couro cabeludo aos raios solares, ampliando a vulnerabilidade a esse tipo de câncer. De acordo com estimativas para o período de 2023 a 2025, cerca de 9 mil novos casos de câncer de pele melanoma, o tipo mais letal, devem ser registrados no Brasil.

A médica Bethânia Cavalli, dermatologista do HSPE, salienta a importância de redobrar os cuidados com a proteção da pele em indivíduos com cabelos ralos ou calvície. O topo da cabeça, juntamente com o rosto, é uma das áreas mais suscetíveis aos danos solares, segundo apontam os estudos.

 

O câncer de pele pode manifestar-se de duas maneiras distintas: melanoma e não-melanoma. O primeiro se caracteriza por manchas ou pintas irregulares em múltiplas tonalidades e pode surgir em qualquer parte do corpo, incluindo mucosas. Já o não-melanoma é reconhecido por feridas persistentes ou manchas que coçam, sangram e descamam, não cicatrizando em até quatro semanas.

Embora o autoexame seja recomendado, algumas regiões, como a cabeça e as costas, podem ser de difícil identificação para a própria pessoa. De acordo com a dermatologista, observou-se um aumento na incidência de tumores de pele em homens calvos, resultado da exposição direta do couro cabeludo aos raios solares.

“A falta de cabelo expõe o couro cabeludo de forma direta aos raios solares e predispõe a uma tendência maior de câncer de pele. Os fios são uma proteção para a cabeça, assim como as roupas formam uma camada propícia ao nosso corpo para nos proteger e evitar que o sol acometa a nossa pele. Daí a necessidade de passar o protetor solar em todo o corpo, mas nos casos de calvície, na cabeça também”, destaca Cavalli.

As principais causas desse tipo de câncer são a exposição prolongada e desprotegida ao sol, além de histórico familiar de câncer de pele. Indivíduos de pele clara, cabelos ruivos ou loiros e aqueles que tiveram queimaduras na infância, especialmente de segundo grau, têm maior propensão a desenvolver melanoma.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), estima-se que o não-melanoma representa cerca de 30 vezes mais casos do que o câncer de pele melanoma no triênio 2023-2025. Apesar disso, a detecção precoce é crucial para o tratamento eficaz da doença.

Dra. Cavalli ressalta a importância das consultas anuais ao dermatologista para a detecção precoce do câncer de pele, enfatizando que mesmo as pessoas com menor risco da doença devem seguir essa prática. Com o Dezembro Laranja, mês dedicado à conscientização sobre o câncer de pele, é fundamental que a população busque orientação médica para adotar medidas preventivas, como o uso de protetor solar, bonés, chapéus, óculos escuros e roupas com proteção UV, além de evitar a exposição solar entre as 10h e 16h, optando por locais com sombra.

Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE
Redes Sociais
28,870FãsCurtir
3,337SeguidoresSeguir
1,683SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever
PUBLICIDADE

Últimas publicações

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE