PUBLICIDADE
InícioDESTAQUESaiba quais as cidades mais ricas do Brasil

Saiba quais as cidades mais ricas do Brasil

Publicado em
PUBLICIDADE

Onze cidades concentraram cerca de um quarto do PIB brasileiro (24,4%). Destas, São Paulo é a que concentra a maior fatia (9,2%). Os dados do Produto Interno Bruno (PIB), referentes a 2020 e 2021, foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no último dia 15 de dezembro.

Apesar de São Paulo ser a cidade de destaque entre as mais ricas, ela também foi a que registrou maior queda de participação (-0,6 ponto porcentual). Rio de Janeiro, a segunda com maior concentração do PIB, também teve uma perda intensa (-0,4).

 

O levantamento mostra que, em 2002, apenas quatro cidades – São Paulo (12,7%), Rio de Janeiro (6,3%), Brasília (3,6%) e Belo Horizonte (1,6%) – representavam cerca de um quarto do PIB nacional. Já em 2021, 11 cidades formavam esse grupo, correspondente a aproximadamente 25% da economia.

Guarulhos aparece em 10° lugar

  • 1. São Paulo (SP), 9,2%; 
  • 2. Rio de Janeiro (RJ), 4,0%; 
  • 3. Brasília (DF), 3,2%; 
  • 4. Belo Horizonte (MG), 1,2%; 
  • 5. Manaus (AM), 1,1%; 
  • 6. Curitiba (PR), 1,1%; 
  • 7. Osasco (SP), 1,0%; 
  • 8. Maricá (RJ), 1,0%; 
  • 9. Porto Alegre (RS), 0,9%; 
  • 10. Guarulhos (SP), 0,9%; 
  • 11. Fortaleza (CE), 0,8%. 

Quedas e aumentos de participação

Segundo o IBGE, das 185 concentrações urbanas do país, 132 perderam e 53 aumentaram sua participação no PIB nacional entre 2020 e 2021, confirmando a tendência de desconcentração.  

PIB per capita

O IBGE analisou o PIB per capita dos municípios brasileiros, ou seja, o total da riqueza da cidade dividido pelo número de habitantes.

O ranking é liderado por Catas Altas, cidade mineira que fica a cerca de 60 quilômetros de Belo Horizonte. Com pouco mais de 5 mil habitantes, o município tem renda per capita de R$ 920.833,97. A atividade econômica que infla o PIB catas-altense é a extração de minério de ferro.

A mineração é o motor que impulsiona também os PIB per capita de Canaã dos Carajás (PA), segunda no ranking, e de outras três localidades mineiras, São Gonçalo do Rio Abaixo (3º), Itatiaiuçu (4º) e Conceição (6º).

Presidente Kennedy, no Espírito Santo, e Maricá e Saquarema, no Rio de Janeiro, ocupavam a quinta, sétima e oitava posições, respectivamente, devido à extração de petróleo e gás.

No Maranhão, três municípios tinham os menores PIB per capita em 2021: Santana do Maranhão (R$ 5,4 mil), Primeira Cruz (R$ 5,7 mil) e Matões do Norte (R$ 5,7 mil).

O IBGE aponta desigualdades regionais no PIB per capita. Enquanto a média nacional era de R$ 42,2 mil, o Nordeste tinha R$ 21,5 mil, seguido pelo Norte, com R$ 29,8 mil. As demais regiões estavam acima da média, com destaque para o Centro-Oeste, com R$ 55,7 mil. O Sul figurava com R$ 51,3 mil; e o Sudeste, R$ 52,5 mil.

Entre as capitais, o ranking é liderado por Brasília, Vitória e São Paulo. Já as últimas posições ficam com Belém e Salvador, que fecha a lista.

Os maiores valores do PIB per capita pertencem aos grandes centros urbanos do Centro-Sul e em regiões em que ocorre a combinação de atividade agropecuária significativa e pequena população, como a borda sul da Amazônia Legal, região central de Mato Grosso, sul de Goiás, leste de Mato Grosso do Sul, oeste baiano e no alto curso do Rio Parnaíba.

Paralelamente, os municípios que mais cresceram entre 2020 e 2021 foram:

  • Maricá (RJ), + 0,5 ponto percentual; 
  • Saquarema (RJ), +0,3 ponto percentual; 
  • Niterói (RJ), +0,2 ponto percentual; 
  • São Sebastião (SP), +0,1 ponto percentual
  • Campos dos Goytacazes (RJ), +0,1 ponto percentual

“O bom desempenho de Maricá se deve à extração de petróleo e gás. Já os cinco municípios que diminuíram sua participação foram influenciados pelos serviços, sobretudo as atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados em São Paulo e Porto Alegre, administração pública em Brasília e Belo Horizonte, e atividades profissionais, científicas e técnicas, administrativas e serviços relacionados no Rio de Janeiro”, destaca Luiz Antonio, analista de Contas Regionais do IBGE.

Fonte: Redação Terra e Agência Brasil

Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE
Redes Sociais
28,870FãsCurtir
3,337SeguidoresSeguir
1,683SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever
PUBLICIDADE

Últimas publicações

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE