PUBLICIDADE
InícioPOLÍCIACRIME CIBERNÉTICOCelular Seguro tem brechas de segurança, afirma empresa especializada

Celular Seguro tem brechas de segurança, afirma empresa especializada

Publicado em
PUBLICIDADE

Na última semana, o governo federal lançou o Celular Seguro, aplicativo que promete agilizar a comunicação de furtos, roubos e perdas de smartphones e a empresas parceiras, como operadoras de telefonia e bancos.

Contudo, em entrevista ao jornalista Julio Wiziack, da Folha de S.Paulo, Alberto Leite, sócio-fundador do Grupo EXA, que oferece soluções de segurança digital, apesar de a ferramenta ser boa, ainda precisa melhorar brechas de segurança.

Crítica e brechas de segurança

 

“É uma ferramenta louvável, mas carece de ajustes rapidamente”, afirmou Leite;
Sua empresa é, tecnicamente, concorrente do Celular Seguro, pois seu principal serviço visa rastrear e bloquear smartphones, contudo, pagando determinado valor;
“O tempo de espera para que parceiros, como bancos e outros aplicativos, façam o bloqueio, é muito grande”, critica;
Leite entende que, nesse período, é possível que o ladrão consiga ter acesso aos dados sensíveis do dono do aparelho, tais como fotos e vídeos, agenda, etc., uma vez que esteja conectado no WiFi.

Mais de 3,8 mil aparelhos são bloqueados em uma semana

Conforme o ministério informou, até o início da tarde desta terça-feira (26), a ferramenta recebeu 1.658 alertas de usuários vítimas de roubos. Outros 1.154 alertas foram motivados por furtos; 801 por perdas e 283 por motivos diversos. Só no último dia 20, foram 1.113 medidas restritivas.

São Paulo é a unidade federativa com maior número de alertas de bloqueio: 1.011. Em seguida, aparecem o Rio de Janeiro (453); Pernambuco (286); Bahia (272) e Minas Gerais (259). Para acessar o serviço, entre em https://celularseguro.mj.gov.br/.

Ainda de acordo com o governo, cada pessoa que se cadastra no Celular Seguro pode indicar pessoas da sua confiança, autorizando-as a efetuar os bloqueios em seu nome. Mais de 467,8 mil pessoas de confiança já tinham sido cadastrados até esta tarde. O próprio dono do aparelho cadastrado pode bloqueá-lo acessando o site celularseguro.mj.gov.br, usando um computador seguro. Não há limite para o cadastro de números, mas eles precisam estar vinculados ao CPF para que o bloqueio seja efetivado.

Não há a opção de bloqueio temporário. Caso o aparelho seja recuperado, o usuário terá que entrar em contato com a operadora de telefonia e com os demais parceiros do Projeto Celular Seguro, como bancos e aplicativos, para reativar seus acessos.

Para o sócio-fundador, “é crucial destacar que a plataforma não proporciona segurança completa”, e explicou a razão de acreditar nisso:

Alerta

“Ao se conectar a uma rede WiFi, o criminoso ainda mantém acesso ao dispositivo. Além disso, o bloqueio imediato da linha telefônica não é garantido, já que o sistema requer até seis horas para enviar a notificação e mais um dia útil para efetivar o pedido.”

O Olhar Digital aguarda posicionamento do governo.

*Com Informações da Agência Brasil, Folha de S.Paulo e Olhar Digital

Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE
Redes Sociais
28,870FãsCurtir
3,337SeguidoresSeguir
1,683SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever
PUBLICIDADE

Últimas publicações

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE