Francislene considera perseguição política matéria sobre investigação

São 19 as ações judiciais contra a Dersa em desapropriações

Além da ação judicial que a empresa Quadra de Ás, da família de Francislene Assis de Almeida Corrêa, esposa do deputado federal Eli Corrêa Filho, moveu contra a Dersa, por discordar do valor oferecido pelas áreas desapropriadas para construção do trecho Norte do Rodoanel, outras 18 famílias movem processos contra a empresa estatal.
Falando por telefone à Reportagem do Click Guarulhos, ela lamentou que a figura de seu marido seja envolvida na notícia de que o valor pago pela desapropriação esteja sendo investigado, pois ele nada tem a ver com o caso.
A área desapropriada é herança recebida de seu pai, o advogado Francisco Assis de Almeida, e pertencia a ela, ao irmão Francisco Júnior e às sobrinhas, filhas da irmã Francis, falecida precocemente. Portanto, o valor depositado à empresa da família foi dividido em quatro partes. “Isso ninguém põe na reportagem, a indenização não é só minha. Ninguém publica que há outras 18 ações, porque o que o DER queria pagar era uma mixaria aos proprietários. Todo mundo sabe quanto vale um metro quadrado. Se o poder público precisa usar a propriedade dos outros para fazer obra, tem de pagar o valor justo. Se o valor oferecido não é justo, vai-se à Justiça reivindicar o que é certo. O juiz nomeia peritos judiciais que avaliam e aí sai a sentença. Não há nada de irregular, nem ilegal nisso”, desabafa.
Para Francislene, a citação de seu nome no noticiário tem motivação político-partidária, por pessoas que não se conformam de ver Eli Corrêa Filho subindo nas pesquisas. Ela afirma ter recebido ameaças, que prefere não comentar, mas garante não ter medo e que nada irá deter a campanha do marido para a Prefeitura de Guarulhos.
“Amo a política, faço porque gosto de lidar com as pessoas, andar nas ruas, visitar as famílias. Nasci nesse meio e adoro fazer isso. Mas não admito a política rasteira dos que querem o poder pelo poder. Não preciso disso, porque o que tenho meu pai me deixou. Vamos em frente, sem receio, porque fazemos política de forma limpa e porque confio que Eli tem todas as condições para fazer muito pela cidade. E não serão ameaças nem matéria de jornal que irão nos deter”, concluiu.
Valdir Carleto

Confira a reportagem da denúncia: Desapropriação milionária paga a esposa de Eli Corrêa é investigada