Exercitar-se na infância

 

Por Talita Ramos

Muito se engana quem pensa que crianças não precisam praticar exercícios físicos. O hábito deve ser incentivado desde a infância, uma vez que ajuda a desenvolver a inteligência, melhora a qualidade de vida e traz diversos benefícios à saúde. “Quando a criança mantém uma rotina de exercícios, também aprende a ter respeito às regras, além de empenho frente aos desafios e a lidar com as adversidades. Fisicamente, os benefícios também são diversos: melhoram a coordenação motora, equilíbrio, força muscular, flexibilidade e função cardiorrespiratória. Além disso, ajudam na prevenção da obesidade, hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares, ansiedade, depressão e osteoporose” explica o médico José Gabel, pediatra e vice-presidente do Departamento de Cuidados Domiciliares da SPSP (Sociedade de Pediatria de São Paulo).

O estímulo ao exercício infantil deve começar na primeira infância. Crianças a partir dos seis meses de idade podem locomover-se livremente em cercadinhos que permitem até que a mesma fique em pé. Aos 10 meses já é possível engatinhar e no período de 1 a 3 anos elas já podem andar e praticar atividades introduzidas na rotina por meio de brincadeiras. Dos 4 aos 8 anos, as crianças podem começar algumas modalidades de esportes e, dos 12 em diante, especializar-se em um deles. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) é recomendado à prática diária de 60 minutos de exercícios, de 5 a 6 vezes por semana com atividades aeróbicas para crianças e adolescentes entre os cinco e 17 anos de idade.

Matéria originalmente publicada na Revista Weekend – Edição 302