Justiça prorroga prisão de investigados no roubo de ouro em Guarulhos

Ação da quadrilha no Terminal de Cargas do Aeroporto de GRU durou 2 minutos e 30 segundos - Foto: Reprodução de Vídeo

A Justiça prorrogou nesta quinta-feira, 1º de agosto, a prisão temporária dos três homens investigados por suposto envolvimento no roubo de 718,9 quilos de ouro, ocorrido há uma semana dentro do terminal de cargas do Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP). 

De acordo com a polícia, ao menos 10 pessoas participaram do crime. O trabalho de apuração, no momento, busca identificar outros envolvidos. “Novos detalhes sobre as apurações acontecerão em momento oportuno. O procedimento visa preservar a investigação e evitar desvios na linha de trabalho”, diz, em nota, a Polícia Civil.

Dois suspeitos foram presos no domingo, 28 de julho. O terceiro foi detido em flagrante, segundo a polícia, com um carregador de fuzil e munição. De acordo com o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), esse suspeito ofereceu apoio logístico para passar a carga roubada dos carros usados no assalto para outros veículos.

O grupo chegou ao Aeroporto de Guarulhos por volta das 14h30 de quinta-feira, 25 de julho, em dois carros disfarçados de viaturas da Polícia Federal. Fortemente armados, eles renderam os funcionários que faziam a manipulação da carga e os obrigaram a transferir o ouro e pedras preciosas para uma das caminhonetes. A entrada dos ladrões foi facilitada pelo supervisor de logística, que afirma ter sido rendido na noite anterior com a família pelos criminosos.

A carga de ouro, dividida em 31 malotes, tinha como destino Nova York, nos Estados Unidos, e Toronto, no Canadá.

*Com informações da Agência Brasil

Anac apura falha de segurança

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) abriu processo para apurar possíveis falhas de segurança que possam ter contribuído para o roubo de 718,9 quilos de ouro no terminal de cargas do Aeroporto de Guarulhos, em 25 de julho.

Segundo a GloboNews a Anac informou que faz fiscalizações para avaliar se os recursos e procedimentos estão em atendimento aos requisitos estabelecidos pela agência. A agência acrescentou que “quando há uma informação sobre algum fato que possa comprometer a segurança da aviação civil contra atos de interferência ilícita (AVSEC), ou descumprimento de normativo da agência”, se instaura um processo de apuração específico”.

No caso do Aeroporto de Guarulhos, em Cumbica, o processo foi aberto no dia seguinte ao roubo, em 26 de julho. A Anac afirmou ainda que está recebendo informações do operador do terminal sobre possíveis descumprimentos de normas de segurança, e que o teor desse tipo de processo é sigiloso e restrito aos profissionais envolvidos em suas análises e entidades responsáveis pela aplicação das medidas de segurança aeroportuária. Não há data prevista para a conclusão da fiscalização.

Em nota, a GRU Airport, concessionária responsável pelo aeroporto, informou que não foi notificada pela Anac sobre qualquer avaliação de seus procedimentos de segurança. E acrescentou que “segue todas as normas internacionais e práticas de segurança pertinentes à segurança aeroportuária e que, periodicamente reporta aos órgãos reguladores correspondentes dados necessários que demonstram sua total conformidade aos procedimentos exigidos”.

Novas regras

A GRU Airport estuda a adoção de mudanças no transporte de valores dentro do aeroporto após o roubo no terminal.

Até 2018, segundo a polícia, carros-fortes e vigilantes armados acompanhavam todo o processo de embalagem das cargas de dinheiro e de metais preciosos que saíam do país.

No entanto, a presença desse tipo de veículo no terminal de cargas passou a ser vista como problema, por dificultar a circulação de empilhadeiras e de outros carros. Assim, neste ano, os carros-fortes foram proibidos de permanecer ali.

Investigação da Polícia Civil

A polícia ainda não recuperou nenhum grama do ouro roubado. Os investigadores suspeitam que cerca de 10 pessoas tenham participado do assalto, das quais três estão presas: o funcionário do estacionamento onde os ladrões fizeram a troca de carros, o supervisor do segurança do aeroporto e um amigo dele.

*Com informações do G1