Colégio da Zona Sul transforma fraldas descartáveis usadas em canetas

O que uma horta suspensa, fraldas descartáveis usadas, a água dos chuveiros e restos de comida têm em comum? A pergunta pode parecer um tanto inusitada. Mas para o Colégio Magno/Mágico de OZ, da Zona Sul da capital paulista, a relação faz todo o sentido. Ganha a forma de um ambicioso projeto, que avança para tornar a escola da Zona Sul de São Paulo, num espaço 100% Sustentável. O conceito de sustentabilidade, que considera aspectos ambientais, sociais e econômicos, sempre fez parte da rotina de alunos, professores e colaboradores do Colégio, nas suas três unidades.

A água da piscina, na casa dos 30 graus, é aquecida através da energia solar. O processo foi iniciado há 10 anos, em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e acaba de ganhar um novo capítulo: agora a energia solar também será responsável por cerca de 30% da energia consumida em uma das unidades, graças à instalação e operação de placas solares. No ano que vem, a produção saltará para 65% da energia demandada pelo prédio e em 2021, 100% da energia consumida será de origem solar. “O nosso projeto prevê que em quatro anos teremos duas das nossas três unidades, abastecidas inteiramente por energia solar”, afirmou Maurício Tricate, diretor administrativo do Colégio Magno/Mágico de Oz.

Com uma média de 700 refeições dias, servidas pelo restaurante, o Colégio Magno desenvolve uma ampla política de destinação correta e reaproveitamento dos resíduos sólidos, que vai além da Coleta Seletiva. “Mais que reciclar, o desafio é não gerar”, pondera Maurício. O projeto Educação pelo Sabor, desenvolvido pela escola desde o início do ano, propôs uma série de mudanças não só no cardápio dos alunos, mas no manuseio dos alimentos, com novas rotinas de preparação e logística, otimizando custos e evitando o desperdício.

Lixo orgânico vira energia

Hoje são gerados 2,5 toneladas de lixo, das quais mais de 50% é orgânico. Além das composteiras, que geram adubo para a horta e jardins da escola, o material é usado para abastecer dez biodigestores instalados na Unidade Olavo Bilac. Utilizando tecnologia israelense, os equipamentos convertem a energia gerada pelos resíduos orgânicos em biogás, uma combinação de gás metano e dióxido de carbono. “Vamos usar o gás para aquecer a água dos chuveiros. Só nesta unidade temos cerca de 200 banhos por dia, que serão aquecidos inteiramente pelo gás. Mas a intenção é ampliar, muito em breve, esse uso para as cozinhas”, adiantou.
  
O Colégio também se dedica ao reúso de água. Atualmente são quase 200 mil litros de água de reúso, usada para fazer toda a limpeza dos pátios e sistema de irrigação, armazenada em dezenas de caixas d’água instaladas nas três unidades. A previsão é construir um uma miniusina para beneficiamento do recurso, ampliando o reúso para as pias e vasos dos banheiros.

Fraldas usadas viram canetas

Levando até 600 anos para se decompor, as fraldas descartáveis são consideradas grandes vilãs do meio ambiente. Sabendo disso, o Colégio Magno/Mágico de Oz iniciou o processo de reciclagem de fraldas descartáveis usadas pelas crianças do Baby Oz e Total Care. Em parceria com uma empresa especializada em tecnologia para o descarte de resíduos, o colégio transformou mais de uma tonelada de fraldas usadas em duas mil canetas, que começaram a ser distribuídas para alunos, pais e visitantes.

Recolhidas em separado do lixo comum, na Unidade Olavo Bilac do Colégio Magno, as fraldas foram encaminhadas para a empresa, que transforma o material em resina plástica e realiza o processo de reciclagem. 

“São muitas as frentes de atuação: energia solar, água, resíduos como o lixo eletrônico, onde é possível que nossas unidades abram espaço para que pais e até a vizinhança possam descartar equipamentos eletrônicos. Enfim, nosso objetivo é que o Magno seja um lugar que segue o conceito de emissão zero. Um lugar 100% sustentável”, concluiu Maurício.