quinta-feira, 7 julho 2022
PUBLICIDADE
InícioCLICK GUARULHOSArquivada queixa contra juiz que frequentava motel durante expediente

Arquivada queixa contra juiz que frequentava motel durante expediente

 

Um juiz que se ausenta do fórum para ir ao motel durante o horário do expediente comete infração disciplinar? A resposta, para o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), como quase tudo no Direito, é: depende.

Por unanimidade, no dia 18 de outubro, o CNJ negou um recurso administrativo e determinou o arquivamento de uma reclamação disciplinar contra um magistrado que teria cometido estes atos. A ex-mulher dele, que moveu a reclamação, juntou nos autos extratos bancários que comprovariam os dias e horários em que ele efetuou os pagamentos nos motéis.

A Corregedoria Nacional de Justiça já havia arquivado a reclamação disciplinar, em dezembro de 2018, com o argumento de que “a ausência esporádica do magistrado do ambiente forense para manter encontros íntimos, isso, por si, não é o bastante para ensejar a sua responsabilização administrativa”. Com o recurso da ex-mulher, o fato foi apreciado novamente pelo CNJ.

O ministro Humberto Martins, corregedor nacional de Justiça, entende que o fato de que a ida ao motel ocorreu em horário de expediente forense “seria passível de configuração de falta disciplinar acaso comprovado que o reclamado tivesse negligenciado as suas atividades judicantes durante aquele período”.

Martins argumenta que a Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) apurou que “os boletins estatísticos anexados, referentes ao período de janeiro a outubro deste ano, demonstram que o requerido exarou 826 sentenças, 779 decisões interlocutórias, 3.638 despachos e realizou 23 audiências de instrução e julgamento. Outrossim, para o mesmo período, observa-se que a Juíza Titular da mesma unidade exarou 549 sentenças, 631 decisões interlocutórias, 2.611 despachos e realizou 15 audiências de instrução e julgamento”.

A Corregedoria do TRF1 havia defendido que “sob um prisma objetivo, a atividade judicante do magistrado continua sendo desenvolvida dentro de uma aparente normalidade administrativa, até porque, o Juiz, como agente político que é, não se sujeita a uma jornada diária rígida, nem tampouco existe norma que lhe obrigue a uma determinada quantidade de horas de trabalho”.

Embora Martins tenha considerado “lamentável” a “situação posta e todo o contexto dos fatos narrados”, ele defende “que não há motivo suficiente para a
instauração de processo administrativo disciplinar no caso em tela, uma vez que não existem elementos mínimos indicativos de que o magistrado reclamado tenha negligenciado a sua atividade judicante”.

Quanto ao magistrado ter comparecido ao motel para manter relação extraconjugal, Martins diz que por mais doloroso que seja para a ex-mulher “descobrir que o seu companheiro eventualmente quebrou o dever de lealdade conjugal, tal fato, por si só, não possui repercussão na esfera administrativo-disciplinar, uma vez que o episódio diz exclusivo respeito à vida privada do casal”.

Leia a íntegra da ementa do julgado do CNJ:

“RECURSO ADMINISTRATIVO EM RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR. ARQUIVAMENTO. ALEGAÇÃO DE VIOLAÇÃO DOS DEVERES DA MAGISTRATURA. MAGISTRADO QUE COMPARECE A UM MOTEL DURANTE EXPEDIENTE FORENSE PARA MANTER RELAÇÃO EXTRACONJUGAL. A RELAÇÃO EXTRACONJUGAL EM REGRA NÃO POSSUI REPERCUSSÃO ADMINISTRATIVO-DISCIPLINAR. A FALTA DISCIPLINAR PELO COMPARECIMENTO A ESTABELECIMENTO EM HORÁRIO DE EXPEDIENTE FORENSE REQUER PROVA DE NEGLIGÊNCIA OU DESÍDIA COM OS ATOS JUDICANTES. NÃO COMPROVAÇÃO. ATIVIDADE JURISDICIONAL DESENVOLVIDA COM NORMALIDADE. AUSÊNCIA DE INDÍCIOS DE NEGLIGÊNCIA COM RELAÇÃO À ATIVIDADE JUDICANTE. AUSÊNCIA DE ELEMENTOS SUFICIENTES PARA A INSTAURAÇÃO DE PAD.

  1. Por mais doloroso que seja para a reclamante descobrir que o seu companheiro eventualmente quebrou o dever de lealdade conjugal, tal fato, por si só, não possui repercussão na esfera administrativo-disciplinar, uma vez que o episódio diz exclusivo respeito à vida privada do casal.
  2. Em relação ao argumento de que o comparecimento ao estabelecimento ocorreu em horário de expediente forense, não foi comprovada negligência ou desídia por parte do magistrado com relação à atividade judicante. Dos boletins estatísticos se extrai que o Juiz teve, no período, produção superior à da magistrada titular do Juízo.
  3. Sob um prisma objetivo, a atividade judicante do magistrado continua sendo desenvolvida dentro de uma aparente normalidade administrativa, até porque o Juiz, como agente político que é, não se sujeita a uma jornada diária rígida.
  4. Não existem elementos mínimos indicativos de que o magistrado reclamado vem negligenciando a sua atividade judicante.

Recurso administrativo improvido”.

O processo tramita com o número 0010215-35.2018.2.00.0000.

*Reprodução do portal JOTA, especializado em notícias relacionadas com o Poder Judiciário

PUBLICIDADE
- PUBLICIDADE -

SIGA/CURTA

28,870FãsCurtir
3,337SeguidoresSeguir
1,597SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever

VEJA TAMBÉM

Especialistas alertam para a necessidade de buscar novos tratamentos para verminoses

Avanços na biologia e na química medicinal, juntamente com maiores investimentos em pesquisa, fizeram com que algumas das principais doenças tropicais negligenciadas ganhassem candidatos...

Unifesp abre inscrições para curso de Autocuidado e Saúde Integral

A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) acaba de abrir inscrições para o curso online de Autocuidado e Saúde Integral. Serão 10 aulas, totalizando...

Vôlei Guarulhos apresenta os sete novos contratados para a temporada 2022-2023

O Vedacit Vôlei Guarulhos usou as redes sociais do time, nesta quarta-feira, dia 6, para revelar os jogadores contratados para a temporada de competições...

Zoológico realiza cirurgia em gavião-de-rabo-branco ferido por linha de pipa cortante

Veterinários e biólogos do Zoológico de Guarulhos, no Jardim Rosa de França, realizaram nesta quarta-feira (29) uma cirurgia para suturar um grande corte na...

GRU Social já atendeu mais de 3,2 mil pessoas com serviços gratuitos em Guarulhos

As quatro edições do GRU Social, ação social de cidadania da Prefeitura de Guarulhos, já atenderam até o momento mais de 3,2 mil pessoas....