Organização da 4ª Volta Ciclística atribui acidente a ‘desatenção’, mas não informa de quem

 

A Associação Desportiva Facex, organizadora da 4ª Volta Ciclística Internacional de Guarulhos, envio nota à imprensa nesta quarta-feira (30), lamentando o acidente ocorrido com o atleta Endrigo Pereira, da equipe de Indaiatuba, líder da prova, que foi atropelado por um veículo na 3ª etapa da competição, disputada no domingo (27). Os responsáveis pelo fechamento do trânsito, que deveria ter sido desviado no trecho da prova, ainda não foram apontados. A Prefeitura informa que está apurando o caso.

Assista abaixo o instante exato do impacto:

Por pouco o ciclista não foi arrastado pelo carro que o derrubou da bicicleta

Segundo a nota, “o acidente ocorreu por desatenção, que está sendo apurada, no fechamento do trânsito da via”. No entanto, a organização do evento não esclarece de quem é a culpa pela “desatenção” que poderia ter custado a vida do ciclista.

“O atleta recebeu todo apoio e respaldo da organização e passa bem. Os demais atletas e dirigentes das equipes se colocaram a favor da organização e protestaram contra a segurança de forma geral”, informou a nota.

A organizadora reitera que a segurança dos ciclistas é prioridade, “o que torna o ocorrido ainda mais preocupante.”

Entenda o caso

O ciclista Endrigo Pereira foi derrubado de sua bicicleta na avenida Paulo Faccini, próximo à Kalunga, e por pouco não foi arrastado pelo veículo, que acertou em cheio a parte frontal da bicicleta, entortando a roda dianteira. Segundo testemunhas a motorista parou para prestar socorro, forneceu seus dados à polícia e foi embora.

Endrigo conta que no momento do acidente, por ainda estar sob efeito da forte descarga de adrenalina estimulada pela competição, não sentiu dores, porém posteriormente se queixou um pouco de incomodo nos joelhos. Para ele, o maior prejuízo foi a destruição da bicicleta e o desempenho de sua equipe na competição.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Endrigo disse ter ficado muito nervoso no momento do acidente, mas não culpou a motorista que o atingiu. O nome dela não foi divulgado. “Fiquei em choque, pois poderia ter morrido. O impacto foi grande. Quando estava no chão, pensei que tinha quebrado algo no meu corpo. Nem cheguei a falar com a mulher que me atingiu, ela apenas deu os dados para a polícia. Não dá para colocar a culpa só na motorista, mas na falta de sinalização da prova. Deveria ter policiais na curva, na via inteira para dar instruções”, desabafou o ciclista.

Após a colisão, em protesto pela falta de segurança, os competidores pressionaram pelo encerramento da prova.

Para Alessandra Santos, responsável técnica da prova, o acidente foi um descuido dos agentes de trânsito que estavam no local. “Faltava aproximadamente sete minutos para finalizar a prova. Aquela curva estava a 150 metros da avenida Tiradentes, algum agente municipal se descuidou, liberou a via, ou algo desse tipo, e fez com que os carros avançassem o trajeto. Ainda tinha um recuo grande de isolamento, por isso o carro veio em alta velocidade”, apontou ela.

O ex-ciclista Cláudio Facex, organizador da prova em parceria com a Prefeitura de Guarulhos, não deixou claro de quem é a culpa pelo acidente, se da própria organização, ou dos agentes de trânsito da Prefeitura de Guarulhos.

A organização fez questão de ressaltar em nota que obteve todo apoio da Prefeitura na estrutura do evento e que a via estava fechada, porém, por algum motivo, foi liberada depois da quinta volta do percurso.

A Prefeitura de Guarulhos, no entanto, afirmou categoricamente em nota que o isolamento da área devia ter sido feito pela organização da competição. Leia a íntegra:

“A Prefeitura de Guarulhos esclarece que a volta ciclística não é organizada pela municipalidade e que apenas deu suporte estratégico para a realização do evento. O isolamento da área deveria ser realizado pelos organizadores, com o apoio da administração”.

O Twitter do PAís do Ciclismo informou no próprio dia 27 que “agentes de trânsito (de Guarulhos) não receberam horas extras, carro furou bloqueio de cones e aconteceu isso (o atropelamento). Absurdo” :

*Com informações do Portal Globo Esporte