As Despejadas lançam música sobre racismo

Fazendo referências à casos reais de violência, banda guarulhense formada só por mulheres chama a atenção para o racismo ainda presente na sociedade - Foto: Divulgação

“Vestido de Preto”, nova música da banda As Despejadas, termina com o som de 80 tiros. O barulho de ritmo marcado, tal qual batidas do coração, faz menção à quantidade de balas que foram disparadas no carro do músico Evaldo Rosa, morto pela polícia militar em abril desse ano no Rio de Janeiro.

Após o lançamento do primeiro álbum, chamado “Sou Frida, As Despejadas chamam atenção para a questão racial com uma música que versa sobre as dores da população negra. Falando sobre racismo, repressão policial e genocídio preto, “Vestido de Preto” também traz à tona casos de violência policial ocorridos esse ano por meio da poesia. “Toda opressão gera uma reação, e nós escolhemos reagir usando a música como ferramenta de transformação”, conta Lídia Martiniano (voz e violão).

Enfatizando que “não é guarda-chuva, carro ou furadeira, se tu for retinto a pele que é suspeita. Pois bala perdida não se perde em bairro nobre, ela se encontra na pele do preto pobre”, a banda retoma o emblemático caso de Rodrigo Alexandre da Silva Serrano, morador da favela Chapéu Mangueira no Rio de Janeiro, assassinado pela polícia militar que, por sua vez, alegou que o guarda-chuva do jovem negro de 26 anos foi confundido com um fuzil.

Modelo e obra: Guinho Nascimento

Ao misturar o tradicional voz e violão com uma percussão envolvente e trechos de poesia, as Despejadas mergulham em referências brasileiras na musicalidade, na crítica social e na literatura. No começo da música é recitado um trecho do Livro Quarto de Despejo, de Maria Carolina de Jesus, escritora negra que inspirou o nome das “Despejadas”. “O Senhor Dário ficou horrorizado com a primitividade da qual eu vivo. Olhava tudo com muito espanto. Mas, o que ele tem que entender é que a periferia é e sempre foi o quarto de despejo de São Paulo. E eu sou uma despejada.”

Clipe “Vestido de Preto

As Despejadas

Formada no bairro dos Pimentas, periferia da cidade de Guarulhos, As Despejadas são Ariadne Matos (Percussão), Lidia Martiniano (Voz e Violão), Nataly Ferreira (Voz e Violão), Vitória Silva (Voz e Percussão), Bruna Duarte (Contrabaixo), Bruna Black (Voz e Bateria). Juntas, transformam histórias reais em música, poesia e manifestação.