Farmácias só terão vacina contra gripe a partir de 13 de abril e só na Capital

 

No dia 18, o Governo de SP anunciou que estava fazendo um entendimento com a Abrafarma – Associação Brasileira das Redes de Farmácias, para que elas auxiliem na aplicação de vacinas contra a gripe. Foi divulgado que mil farmácias participariam. Como na segunda-feira inicia a campanha antecipada de vacinação contra a gripe, para pessoas acima de 60 anos e profissionais da Saúde, há muita gente pensando que poderia vacinar-se em farmácias.

Porém, diante da falta de informações confiáveis, o Click Guarulhos pesquisou e verificou, no site da Abrafarma (www.abrafarma.com.br) que as farmácias associadas irão atuar, em caráter auxiliar às UBSs, apenas na Capital de São Paulo, e apenas a partir de 13 de abril. Os idosos de Guarulhos, portanto, não poderão se valer dessa facilidade. Mesmo sendo grupo de risco para o coronavírus, com recomendação para não sair de casa, terão de ir às UBSs se quiserem vacinar-se contra a gripe. Vamos encaminhar questionamento à Assessoria de Imprensa do governo paulista sobre essa contradição.

A entidade informa que não será em todas as farmácias da Capital, apenas nas regiões mais críticas. E que depois a ação poderá vir a ser estendida para outras cidades. Não prevê data para isso e ressalta que as UBSs continuarão sendo os locais já conhecidos da população que terão a missão de aplicar a vacina contra a gripe.

Como informamos ontem, a campanha terá três fases (leia a seguir). As pessoas que não se enquadrem em nenhum desses grupos terão de vacinar-se em clínicas e laboratórios particulares, pagando pela aplicação.

Etapas

1ª etapa (A partir de 23 de março): Pessoas com 60 anos ou mais e trabalhadores da saúde.

2ª etapa (A partir de 16 de abril): Professores; portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais.

3ª etapa (A partir de 09 de maio): crianças de 6 meses a menores de 6 anos; gestantes; puérperas (mulheres que tiveram filho nos últimos 45 dias); povos indígenas; adolescentes e jovens sob medida socioeducativa; população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional; e adultos de 55 a 59 anos.