quinta-feira, 27 janeiro 2022
InícioDESTAQUEPresidente do TSE sugere adiar eleições municipais por algumas semanas, mas ainda...

Presidente do TSE sugere adiar eleições municipais por algumas semanas, mas ainda em 2020

 

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, o ministro do STF e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luis Roberto Barroso, revela que cogita o adiamento das eleições municipais deste ano, por enquanto marcadas para o primeiro e o último domingo de outubro, 4 e 25.

A entrevista era sobre o Forum Brazil UK, que começa nesta segunda-feira, 15, organizado pela comunidade de estudantes brasileiros no Reino Unido cujo tema este ano é “E agora, Brasil? Alternativas para os múltiplos desafios”, evento do qual Barroso é o patrono. Porém, indagado se já seria o momento de definir sobre se será possível manter as eleições de prefeitos e vereadores na data prevista, ele respondeu:

“Acho que está chegando a hora de se ter uma decisão. Eu me reuni por videoconferência com médicos de diferentes especialidades altamente respeitados nas suas áreas. A percepção é que possivelmente em setembro a curva da covid-19 já estaria decrescendo. Como a gente precisa programar isso com alguma antecedência, sugerimos adiar por algumas semanas. Mas a decisão é do Congresso. A sugestão do TSE é uma janela que vai de 15 de novembro até 20 de dezembro. Seria o limite para o segundo turno para que possamos dar posse até o dia 1.º de janeiro.”

Quanto às precauções que ainda deverão ser tomadas, por causa da pandemia, Barroso comentou que talvez seja o caso de esticar o período da votação em três horas, reservando as primeiras três horas, a partir das 8h, para os eleitores mais idosos. Sobre a possibilidade de fazer em dois dias, ele acha complicado, tanto pelos custos, que seriam maiores, quanto pela segurança das urnas durante a noite.

O presidente de TSE também falou a respeito da higienização na hora de votar. Defende que cada eleitor receba um jato de álcool após votar, pois se passar o gel nas mãos antes, pode prejudicar a tela da urna eletrônica e também dificultar a identificação biométrica.

Caso o Congresso Nacional vote o adiamento para as datas sugeridas pelo ministro, nas cidades em que houver segundo turno, os candidatos finalistas terão de montar equipes para o possível secretariado antes de saber o resultado da eleição, já que o prazo entre 20 de dezembro e a posse, em 31 de dezembro, será exíguo demais para essa tarefa.

Nada impede que o Congresso fixe as datas dentro desse período, mas que o segundo turno seja uma semana ou duas antes, para que haja um tempo maior para os candidatos vencedores prepararem suas gestões.

Fake news


A questão das notícias falsas que circulam na internet foi também abordada na entrevista. Luis Roberto Barroso disse que o termo “fake news” é um apelido, mas que o problema não é exatamente que sejam notícias falsas, mas campanhas de ódio, que definiu como “fazer ataques preconceituosos, discriminatórios ou racistas a grupos vulneráveis da sociedade. Definir em teoria é fácil. Nos casos concretos, é menos fácil”.

Quanto às medidas que se pretende pôr em prática para evitar que sejam usadas com vistas a influir nos resultados das eleições, respondeu que está em contato com representantes das plataformas, como o WhatsApp, pensando em como monitorar e neutralizar robôs e comportamentos inusuais de retransmissão e reenvio de mensagens. Além de uma campanha de esclarecimento da Justiça Eleitoral que já está no ar nas redes de televisão e rádio, Barroso considera fundamental o papel da Imprensa para mostrar à população o que é fato e o que é falso entre as notícias que circulam na internet.

Barroso também falou sobre a campanha que alguns grupos vêm fazendo contra o Supremo Tribunal Federal e o Congresso, e a possibilidade de as Forças Armadas aplicarem um golpe. Para ele, críticas aos poderes são legítimas, mas não no sentido de subverter a ordem constitucional. Entende que as Forças Armadas sequer querem que isso ocorra e que quem fala nessa possibilidade o faz indevidamente: “As Forças Armadas nesses 32 anos de democracia tiveram um comportamento exemplar de profissionalismo, patriotismo e institucionalidade e ninguém deseja, nem elas próprias, que elas sejam arremessadas no varejo da política. Quem pede intervenção militar é o mesmo gueto pré-iluminista que defende o fechamento do Congresso e o fechamento do Supremo. Eu considero ofensivo às Forças Armadas quererem associá-las à quebra da institucionalidade, à interferência política ou golpe”, concluiu.

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

SIGA/CURTA

28,870FãsCurtir
2,828SeguidoresSeguir
1,508SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever

VEJA TAMBÉM

Anac dá primeira autorização para entrega comercial usando drones

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) concedeu a primeira autorização para uma empresa utilizar drones para entregas comerciais. A contemplada foi a companhia...

Como diferenciar-se na busca por uma vaga de emprego

O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo e exigente. Não se trata de opinião; a questão é matemática: a demanda por emprego...

São Paulo vacina primeira criança contra Covid-19 com CoronaVac

Após liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), governo de SP começou a aplicar vacina CoronaVac em crianças nesta quinta-feira (20) e atualizou o...

INSS começa a pagar pensões e aposentadorias com reajuste

Nesta terça-feira (25) as aposentadorias e pensões do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) começaram a ser pagas com os valores reajustados de 2022. São...

Acqua Sport e suas múltiplas atividades

A Academia Acqua Sport está em atividade em Guarulhos há 40 anos, fundada pelo professor Marcos Antonio Magnoni, cujo trabalho com o de sua...