Em junho, emprego formal paulista ficou estável

Este é o maior saldo de emprego com carteira assinada desde 2013 - Marcello Casal/Agência Brasil
 

Estudo do Seade com base em dados do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostra que, entre maio e junho, o número de empregos permaneceu relativamente estável no Estado de São Paulo e no Brasil. As 315 mil demissões ocorridas no Estado foram parcialmente compensadas por 302 mil admissões, o que resultou na diminuição de 13 mil empregos (-0,1%).

Esse resultado deveu-se, principalmente, à utilização do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda para 1,2 milhão de empregos (58% com suspensão do contrato ou com redução de até 70% dos rendimentos).

De janeiro a junho, houve decréscimo de 364 mil empregos no Estado, o que corresponde a 30% do total de postos de trabalho formais eliminados no Brasil (1,2 milhão).

Nesse período, com exceção da região de Araçatuba, todas as demais regiões analisadas apresentaram retração do nível de emprego, destacando-se o Município de São Paulo (-126 mil), demais municípios da Região Metropolitana de São Paulo (-86 mil) e região de Campinas (-59 mil).