Rodovias paulistas registram queda de mortes e de acidentes no feriado

PMS fazem Operação Carnaval Mais Seguro nas estradas paulistas - Foto: Divulgação
 
Mesmo com o registro de tráfego intenso nas rodovias paulistas, foram contabilizadas menos mortes (- 7,4%) e menos acidentes (- 15,4%) no feriado de 7 de Setembro, na comparação com 2019.

Neste ano, DER e Artesp registraram 25 mortes nas estradas, ante 27 no ano passado, e 757 acidentes, contra 895 em 2019. A comparação abrange 5 dias entre 3 e 7 de setembro deste ano e 5 e 9 do mesmo mês de 2019, quando o feriado caiu num sábado – mesmo com o feriado prolongado agora, houve menos mortes e acidentes.

Nas rodovias administradas pelo DER, houve redução de 13,7% no total de acidentes e 53,8% no número de vítimas fatais.


Movimentação nas estradas

Passaram pelas rodovias 6,786 milhões de veículos neste ano ante 6,761 milhões em 2019, de acordo com os dados coletados pela Secretaria Estadual de Logística e Transportes (SLT), por meio do DER (Departamento de Estradas de Rodagem), da Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) e Polícia Rodoviária Estadual – que esteve presente com todo o efetivo operacional nos mais de 22 mil km de rodovias estaduais.

O aumento mais expressivo, dentre as rodovias administradas pelo DER, se deu na Mogi-Bertioga, com 71,6% de veículos a mais do que em 2019.

Rodovias concedidas

No sistema de rodovias que integram o Programa de Concessões Paulista houve redução de 3,2% no fluxo de veículos no período de 3 a 7 de setembro deste ano em comparação a 5 a 9 de setembro de 2019. No Sistema Anhanguera-Bandeirantes, passaram 2 milhões de veículos de 3 a 7 de setembro nas praças de pedágio próximas à Capital, resultando em redução de 12,1% dos veículos em ambos os sentidos neste feriado quando comparado ao período de 5 a 9 de setembro de 2019.

Na rodovia Castello Branco (SP 280), principal eixo de ligação para a região Oeste do Estado, de 3 a 7 de setembro passaram aproximadamente 1,6 milhão de veículos nas praças de pedágio de Itu e Itupeva – redução de 11,3 % no fluxo de veículos em ambos os sentidos, quando comparado ao período de 5 a 9 de setembro passado.

No Sistema Anchieta-Imigrantes, que dá acesso às praias do litoral sul e à Baixada Santista, 634 mil veículos leves e pesados trafegaram no sistema de 3 a 7 de setembro deste ano – aumento de 20,7% em relação ao período de 5 a 9 de setembro de 2019.

Para a concessão da Ecopistas, que administra as rodovias Ayrton Senna e Carvalho Pinto, houve a passagem de pouco acima de 1 milhão de veículos de 3 a 7 de setembro nas praças de pedágio do sistema – aumento de 6,1% quando comparado ao período de 5 a 9 de setembro do ano passado.

Na Rodovia dos Tamoios, ligação com o litoral Norte, houve um registro de 315 mil veículos nas praças de pedágio em ambos os sentidos de 3 a 7 de setembro – aumento de 67,4% em relação a 5 a 9 de setembro de 2019.

Outras rodovias

– Rodovia Rio-Santos (SP 055), litoral Norte: aumento de 53,4 % (de 117.758 veículos para 180.650)

– Rodovia Padre Manoel da Nóbrega (SP 055), litoral Sul: aumento 26,3% (244.809 veículos para 310.736)

– Mogi-Bertioga (SP 088): aumento de 71,6 % (62.706 veículos para 107.581)

– Rodovia Oswaldo Cruz (SP 125): aumento de 19,1 % (de 45.171 veículos para 53.784)

– Raposo Tavares (SP 270): aumento de 2,9% (de 393.927 veículos para 405.269)

– Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro: aumento de 31,4% (de 65.608 veículos para 86.181)

Travessias

A movimentação foi intensa também nas travessias litorâneas do Estado de São Paulo no período de 04/09 a 07/09. O trecho São Sebastião/Ilhabela transportou 5.429 veículos neste feriado – 10% maior em relação ao feriado de 7 de setembro de 2019, quando passaram 4.926 usuários.

O mesmo comportamento foi registrado na travessia Santos/Guarujá, quando 20.455 veículos usaram as embarcações. Em comparação com o mesmo feriado do ano passado teve uma leve alta de 6% (19.196 veículos).

Segundo a Artesp, apesar do fluxo intenso, as travessias São Sebastião/Ilhabela e Santos/Guarujá não registraram tempos elevados na espera para embarque, fato que se tornou constante desde o ano passado, após o início da nova gestão da SLT em 2019.