Pedagogia Essencial utiliza a linguagem do teatro e foca no autoconhecimento

 

A Pedagogia Essencial foi criada e experimentada por Estefânia Zonaro, que há 20 anos trabalha com teatro e há 12 anos experimenta periodicamente a formação na linguagem de palhaços. Ela se baseia em cinco pilares: Viver no Olhar; Viver na Palavra; Viver no Bom Humor; Viver no Eu; Viver no Todo, que acessam de maneira prática o que ela chama de “maestria individual”, a realização de um planejamento real e não ideal, a identificação de ser protagonista de qualquer projeto que queira vislumbrar a interação com o mundo, o acesso ao ser criativo, a transposição frente a qualquer dificuldade, além de perceber a  individualidade e a maestria na comunicação.

Estefânia explica que, durante os processos formativos, os aprendizes compartilham suas  experiências dentro do curso e o que ressoa na vida cotidiana. “Com isso, ocorrem mudanças e o olhar sobre suas próprias existências, o que faz com que alcancem seus objetivos e passem a olhar algumas dificuldades de outra maneira”, diz.

Ela também atua na Educação Básica, leciona há 24 anos e ocupa o cargo de professora na rede municipal de ensino da Prefeitura de São Paulo. “Devido a minha experiência, comecei a perceber onde as estradas se cruzavam. Com as minhas formações em Artes e Artes Cênicas, que me fizeram olhar cuidadosamente como a arte poderia auxiliar o processo cognitivo em sala de aula, percebi que a maestria estava no bom humor. Um ambiente acolhedor com sorrisos e que diferem do permissivo pode ser a grande diferença para qualquer processo de aprendizagem”, comenta.

De acordo com a idealizadora da Pedagogia Essencial, as pessoas buscam este tipo de formação com foco no trabalho voluntário, como processo terapêutico e de autoconhecimento. “Ao longo desses anos, as formações aconteceram de forma prática, sempre em espaços culturais da cidade de Guarulhos e São Paulo, com empresas parceiras ou na esfera pública”, declarou.

Com a pandemia da covid-19, as aulas on-line, videoaulas e videoconferências ganharam o dia a dia das pessoas com plena intensidade, já que a quarentena imposta distanciou trabalhadores e professores de suas salas de aula. “Para grande parcela dos educadores, o ambiente on-line ainda era um território inexplorado e se encontraram em uma situação de quase pânico, com exceção dos que já trabalhavam com EAD”, comenta.

Para Estefânia, o feedback dos colegas sobre a dificuldade de acessar esse mundo que requer além do domínio do conteúdo, o de encontrar sua maestria, para que pudessem expor sem medo suas vozes e suas imagens, trouxe a urgência de lançar o curso Pedagogia Essencial, que utiliza a linguagem do teatro como ferramenta prática para sanar as dificuldades da atuação pedagógica, seja em ambientes virtuais de aprendizagem ou presenciais.

Por estar debruçada nos estudos teatrais e coletando dados por depoimentos de colegas de trabalho, foi possível reunir material suficiente para montar uma pedagogia de cunho humanizador, que é feita literalmente por processos práticos. “Um dos principais objetivos é o de como manejar os objetivos com a praticidade que um planejamento pede, saindo da estagnação da máxima que ‘o papel aceita tudo’. Ao romper com esse pensamento que proíbe de usarmos, de fato, a maestria individual, auxilia contra a desesperança que muitas pessoas vivenciam”, conclui.

Para saber mais, acesse as redes sociais ou entre em contato com a autora:

https://www.facebook.com/pedagogiaessencial1/photos/a.141662064257821/154747232949304/?type=3

https://www.instagram.com/p/CFj9SschF3q/?igshid=1fq1beqnls3oa

WhatsApp: (11) 99338-3116