Rodrigo Tavares – PRTB – 28

 

Perguntas comuns a todos os candidatos



1) Qual é sua profissão ou seu meio de sobrevivência? (se atualmente ocupa um cargo eletivo, qual era anteriormente?)

Tenho 40 anos e estou casado com Karina Fidelix, com quem tenho uma filha, a Micaella, de 6 meses. Sou natural de Guarulhos/SP e incansável estudioso. Além de advogado, somo quatro especializações: em Direito Público (Unisal), Direito Administrativo (PUC-SP), Direito Eleitoral (Ejep) e Gestão Pública (Mackenzie). Funcionário público concursado da Saúde em Guarulhos, já contribuí para diversas áreas da gestão municipal. Fui candidato a governador na última eleição e recebi 650 mil votos, sendo 24 mil de Guarulhos. Assim, sou o político guarulhense mais bem votado em um pleito no Estado. Filiado ao PRTB desde 25/06/2016, estou está à frente dos diretórios em Guarulhos, Alto Tietê e Vale do Paraíba. Atualmente, conduzo também cursos de formação política e gestão pública para os filiados do partido nessas regiões do Estado de São Paulo. Conto com o apoio do vice-presidente da República, Gal. Hamilton Mourão, e de dezenas de deputados estaduais e municipais, o que será essencial para termos as verbas para o desenvolvimento de Guarulhos. Somos a chapa Renova Guarulhos.


2) Qual a solução, em seu entendimento, para os moradores em situação de rua, que perambulam pelas praças, espalham detritos e passam uma imagem ruim da cidade?

Em primeiro lugar, precisamos de um Serviço Social fortalecido, atento aos reflexos da pandemia do Covid-19, que provocou o aumento do desemprego. Com sensibilidade, vamos levar as pessoas em condição de rua para os albergues públicos e promover uma triagem, para alimentá-las e identificar quais delas têm condições de voltar imediatamente a trabalhar, e quais necessitam de apoio para superar vícios, recuperar a autoestima e voltar ao convívio social. Paralelamente, temos que rever a política de impostos no município, reduzindo os valores de IPTU e INSS, com vistas à recuperação da indústria e o fomento de uma política de maior atratividade para grandes marcas empregatícias. O poder público atual teve 4 anos para fazer e, agora, às vésperas das eleições, pede mais 4 anos para fazer. Maquiou a cidade em diversos pontos para passar a impressão de que está tudo bem. Por fora bela viola, por dentro pão bolorento. Até a GCM na Praça Getúlio Vargas, ideia nossa, tiveram a cara de pau de tomar para si.  

3) Outras cidades ao longo da via Dutra têm diversas travessias de um lado para outro da rodovia e em Guarulhos não. Há como resolver isso?

Nosso papel é facilitar, dialogar e buscar o convencimento das concessionárias para novas travessias em pontos de alto volume de pedestres, não só na Dutra. E se necessário usar instrumentos legais para forçá-las a se comprometer com a segurança e a mobilidade do guarulhense. Nossa equipe tem um estudo e deve ampliar e aprimorá-lo, de modo a promovermos melhorias nos trechos com maior demanda. Bairros cresceram no entorno das estradas, ganharam prédios e indústrias, mas nenhuma outorga onerosa. Não pode permanecer assim, inclusive dentro da cidade. Vejo a região entre a Vila Augusta e a Ponte Grande com o surgimento de condomínios e um gargalo absurdo de trânsito, sem melhorias feitas pelas construtoras. O fechamento do acesso de pedestres pela Rua Jamil José Zarif até o aeroporto é emblemático, no Taboão. A Gru Airport administra o espaço, faz o que quer e entrega bem menos do que deveria à cidade. Esses são sinais de um poder público omisso, sem planejamento e capacidade de articulação.  

4) Todos criticam o excesso de cargos comissionados na Prefeitura, mas sucessivos prefeitos os utilizam para formar base de apoio no Legislativo. Como será sua posição quanto a isso, se for eleito?

Comprometo-me a reduzir em 50% os cargos comissionados. Vamos valorizar o servidor público. Quero 70% dos cargos de diretoria ocupados por servidores públicos que realmente entendam das pastas. Eles têm experiência de trabalho e conhecem a cidade. É fundamental termos líderes nos quais os servidores se espelhem, isso contribui para o “clima organizacional” e a alta produção. Vamos investir pesado em tecnologia para dar agilidade às demandas, reduzir a burocracia e acabar com as perseguições que ocorreram ao longo da atual gestão. É o servidor público quem faz a “roda girar” no dia a dia. Como servidor que sou, falo com conhecimento de causa: estimulados, com suporte e plano de carreira, os servidores públicos têm as condições ideias para colocar o coração e a energia absolutamente no que é preciso: promover as melhorias necessárias à cidade. 

5) Enquanto há milhares de famílias sem uma moradia digna, há inúmeros imóveis desocupados sem cumprir função social e boa parte deles com dívidas de impostos. O que pretende fazer nesse sentido?

A prefeitura tem instrumentos para rastrear quais são e onde estão esses imóveis, além de recuperar as condições desse passivo, muitas vezes em parcerias públicas privadas, tornando-os fonte de renda. Trata-se não só da preservação do patrimônio e da história da cidade como também um meio de desenvolver regiões, gerar receitas e promover melhorias diversas, inclusive na área social. É preciso vontade política para atender ao interesse público e zelar pelos bens dos guarulhenses. 

6) A população queixa-se de falta de médicos nas diversas unidades de Saúde. Sucessivos prefeitos atribuem que muitos médicos só aceitam trabalhar no serviço público enquanto não obtêm algo melhor. Como pretende resolver essa questão?

Guarulhos está com a Saúde em frangalhos. Fizeram contratos duvidosos, com empresas envolvidas em corrupção, que pintaram as instalações, mas que não conseguem manter insumos básicos à disposição. Tem gente do governo investigada pelo Gaeco e o Ministério Público. Vergonhoso. Vamos fazer uma auditoria em todos os setores, retomar a administração pública dos espaços e priorizar a recuperação em todos os níveis, da contratação de profissionais capacitados à oferta de medicamentos, do mutirão dos exames aos tratamentos e cirurgias paralisadas. O Hospital Municipal de Urgências não pode ter limitações a ponto de os funcionários mandarem os guarulhenses a postos de saúde em bairros distantes. E as áreas mais populosas não ficarão sem atendimento, tal como ocorreu na região do Paraíso, por conta de instalações deficitárias. Tem que ter pulso, projetos e executá-los.



Perguntas específicas para Rodrigo Tavares – PRTB – 28


1) Seu cargo efetivo na Prefeitura é de agente de saúde na Zoonoses. É essa a função que exerceu durante todo o tempo ou foi designado para outros cargos?

Exerci a função, mas estive também na Fazenda Pública do Estado de São Paulo (Procuradoria Fiscal), secretaria da Saúde, secretaria de Governo, secretaria de Cultura, secretaria de Assistência Social, secretaria de Assuntos Jurídicos e o Procon. Sempre em Guarulhos. Isso prova minha versatilidade e o conhecimento em diversas áreas da gestão pública, que certamente propiciará um governo muito capacitado para Guarulhos, em conjunto com os servidores públicos e a população. Faremos 6 subprefeituras justamente para atender demandas específicas.

2) Logo após ter sido candidato ao governo estadual, ocupou cargo de confiança na gestão João Dória. Por que não permaneceu no cargo? Não aprova o governo dele?

No ano passado, fui vice-superintendente do Ipem em São Paulo. No entanto, logo percebi que a gestão de João Doria convergia para uma realidade distante da que pretendemos enquanto gestor público. Entendi que era o momento de sair para estruturar especialmente o diretório do PRTB em Guarulhos e montar o projeto que visa dar à cidade as condições para voltar a orgulhar os que aqui vivem. Com Deus, Pátria e Família, teremos pautas conservadores para endireitar a cidade.

Quem é candidata a vice

Eliana Galvão (PRTB)

Atua como advogada em Guarulhos há 33 anos, foi candidata à presidência da OAB Guarulhos em 2018. Foi membro do Conselho Regional de Prerrogativas e vice-presidente da Comissão da Mulher Advogada. Com mestrado na PUC/SP, exerceu o Magistério no Ensino Superior em Guarulhos e no Sul do Brasil. Também foi membro do Conseg Conselho Municipal de Segurança de Guarulhos-Centro.