Cresce número de internados por covid no Estado de SP

O chefe do médico da UTI, Everton Padilha Gomes, examina uma radiografia de tórax de um paciente em um hospital de campo criado para tratar pacientes que sofrem da doença por coronavírus (COVID-19) em Guarulhos, São Paulo
 

O Estado de São Paulo registra nesta segunda-feira (16) 40.576 óbitos e 1.169.377 casos confirmados do novo coronavírus.

Os dados ainda sofrem o impacto das falhas do sistema federal SIVEP, onde são notificados os casos graves e óbitos. Em seis dos últimos dez dias, houve dificuldade tanto na notificação por parte dos municípios quanto na extração de dados pela Secretaria de Estado da Saúde. Isso afetou diretamente a contabilização dos números das semanas epidemiológicas 45, 46 e 47 (anteriores e atual).

Com a retomada do sistema no sábado (14), é esperado que as prefeituras notifiquem estes dados “represados” durante o período de falha no SIVEP, o que pode gerar uma falsa ideia de alta nos próximos dias.

Entre o total de casos diagnosticados de COVID-19, 1.068.284 pessoas estão recuperadas, sendo que 127.654 foram internadas e tiveram alta hospitalar.

As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 47,3% na Grande São Paulo e 42,3% no Estado. O número de pacientes internados é de 7.973, sendo 4.601 em enfermaria e 3.372 em unidades de terapia intensiva, conforme dados das 11h desta segunda-feira.

Há 20 dias, era esta a situação: As taxas de ocupação dos leitos de UTI era de 39,7% na Grande São Paulo e 39,2% no Estado. O número de pacientes internados era de 6.901, sendo 3.870 em enfermaria e 3.031 em unidades de terapia intensiva, conforme dados de 27.10.2020. São 1.072 pacientes internados a mais, em 20 dias.

Os 645 municípios de SP têm pelo menos uma pessoa infectada, sendo 594 com um ou mais óbitos. A relação de casos e óbitos confirmados por cidade pode ser consultada em: www.saopaulo.sp.gov.br/coronavirus.

Perfil da mortalidade

Entre as vítimas fatais estão 23.353 (57,6%) homens e 17.223 (42,4%) mulheres. Os óbitos permanecem concentrados em pacientes com 60 anos ou mais, totalizando 76,6% das mortes.

Observando faixas etárias, nota-se que a mortalidade é maior entre 70 e 79 anos (10.462), seguida pelas faixas de 60 a 69 anos (9.579) e 80 e 89 anos (8.309). Entre as demais faixas estão os: menores de 10 anos (52), 10 a 19 anos (72), 20 a 29 anos (334), 30 a 39 anos (1.148), 40 a 49 anos (2.638), 50 a 59 anos (5.264) e maiores de 90 anos (2.718).

Os principais fatores de risco associados à mortalidade são cardiopatia (59,9% dos óbitos), diabetes mellitus (43,3%), doenças neurológicas (10,9%), renal (9,5%), pneumopatia (8,4%). Outros fatores identificados são obesidade (8,3%), imunodepressão (5,5%), asma (3%), doenças hepáticas (2,1%) e hematológica (1,7%), Síndrome de Down (0,5%), puerpério (0,1%) e gestação (0,1%). Esses fatores de risco foram identificados em 32.661 pessoas que faleceram por COVID-19 (80,5%).

Perfil dos casos

Entre as pessoas que já tiveram confirmação para o novo coronavírus estão 544.856 homens e 618.332 mulheres. Não consta informação de sexo para 6.189 casos.

A faixa etária que mais concentra casos é a de 30 a 39 anos (275.443). As demais são: menores de 10 anos (29.689), 10 a 19 (57.018), 20 a 29 (198.932), 40 a 49 (240.188), 50 a 59 (174.879), 60 a 69 (106.266), 70 a 79 (53.847), 80 a 89 (25.249) e maiores de 90 (7.189). Não consta faixa etária para outros 677 casos.