União Europeia processa AstraZeneca por atraso em entrega de vacinas

 

A Comissão Europeia anunciou nesta segunda-feira (26) que iniciou uma ação legal contra a AstraZeneca por não ter respeitado o contrato de fornecimento de vacinas contra a Covid-19 e por não ter um plano confiável para garantir as entregas a tempo.

Segundo o porta-voz da entidade, todos os 27 países da União Europeia apoiaram a ação. Desde janeiro há uma disputa entre o bloco de países e a empresa farmacêutica. Naquele mês, a AstraZeneca disse que não iria entregar 300 milhões de doses da vacina no tempo que havia sido acordado (entre janeiro e junho deste ano).

Desde então, os dirigentes europeus passaram a criticar a companhia. O contrato, que foi assinado de acordo com as leis da Bélgica, foi divulgado, e mostrava que os termos eram semelhantes ao de outras farmacêuticas. Havia alguns parágrafos que protegiam legalmente a AstraZeneca de eventuais atrasos de prazos de entrega.

Também havia uma cláusula que dizia que as vacinas desse contrato seriam produzidas nas fábricas na União Europeia e no Reino Unido.

O contrato ainda dizia que a companhia deveria fazer seu maior esforço para garantir o fornecimento de doses, inclusive produzir em fábricas em outros locais, se necessário.

AstraZeneca diz que vai entregar um terço do prometido

Em um comunicado de 12 de março, a AstraZeneca afirmou que iria conseguir entregar um terço da encomenda.

O porta-voz da Comissão Europeia afirmou que o bloco quer garantir que haverá uma entrega de um número suficiente de doses, como foi prometido no contrato.