quinta-feira, 7 julho 2022
PUBLICIDADE
InícioCIDADESAÚDENo centro de SP, oferta de atestados falsos para vacina de Covid...

No centro de SP, oferta de atestados falsos para vacina de Covid acontece perto de policiais militares

 

O já conhecido comércio de falsos atestados médicos na região da praça da Sé, região central da capital paulista, adaptou-se para atender a mais nova demanda: documentos que atestem comorbidades para quem deseja furar a fila da vacina contra Covid-19.

O “kit completo” inclui atestado médico com a suposta doença e o receituário de um medicamento usado. Tudo sai por R$ 220, pagos em dinheiro, “mas só quando eu te entregar a papelada”, afirma um dos negociadores, tentando dar garantia do serviço.

Neste mês, pessoas com comorbidades para Covid-19 (como diabetes, hipertensão, doenças cardíacas, entre outras) podem se vacinar em São Paulo -cada município define as faixas etárias que estão liberadas. A imunização desses pacientes, no entanto, exige comprovação da doença, seja por meio de atestado, receita ou laudo médico.

A oferta e compra dos documentos falsos acontece a poucos metros de policiais militares, entre a saída do metrô Sé e a entrada do Poupatempo, na praça do Carmo. A Folha esteve no local nesta terça (25) e na quarta-feira (26) e acompanhou como funciona o esquema.

Os atestados não são oferecidos em alto e bom som pelos arrastadores –que têm a função de angariar clientes que precisam tirar foto 3×4 ou fazer cópias de documentos para levar ao Poupatempo–, mas basta perguntar a um deles como conseguir um atestado que já se ouve: “É pra vacina?”

Diante da resposta positiva, eles dizem que esse documento “é mais complicado” e encaminham o interessado para um arrastador específico, que se encarrega da negociação.

Usando máscara no queixo e com olhar sempre atento aos policiais militares que passam pelo local, Rogério, como ele se apresenta, já avisa que o serviço tem um preço salgado “porque não é fácil conseguir toda documentação que estão pedindo”, referindo-se à exigência de comprovar doença para ser vacinado.

A reportagem o questionou, sem se identificar, como conseguir um atestado que comprovasse comorbidade para se vacinar contra Covid-19. De pronto, Rogério pergunta se a pessoa é “mais nova ou mais velha”. “Quem é mais novo a gente coloca diabetes, para não dar erro. Se for mais velho, pode ser pressão alta mesmo.”
O atestado, continua Rogério, vem com o nome completo do suposto paciente, número da CID (Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde) e assinatura e carimbo de uma médica com CRM “quente”, referindo-se à validade do registro no Conselho Regional de Medicina.

Isso porque, no sistema usado nos postos de saúde para registro de pessoas vacinadas contra a Covid, o Vacivida, há um campo para inclusão do CRM do médico que assina documentos e laudos que comprovem a doença ou deficiência do paciente.

Pelo atestado falso, diz o negociador, o valor cobrado é de R$ 150 –mais que o triplo do pedido pelos falsários por um atestado comum, que sai por R$ 40 e é usado geralmente para abonar faltas ao trabalho.

Rogério, no entanto, alerta que, para a comprovação completa da comorbidade junto ao posto de saúde, o recomendado é também adquirir uma receita falsa, com prescrição da medicação para a doença escolhida.

“Sai mais R$ 70. Vem o nome do remédio, quanto tomar e a assinatura de outro médico, com CRM quente também”, diz.

Para dar mais credibilidade à fraude, Rogério orienta a reportagem a utilizar a receita na compra do remédio ao menos uma vez. Assim, segundo ele, o documento terá o visto de um farmacêutico, o que descartaria qualquer suspeita de irregularidade.

“Demora cerca de 30 minutos. Você me dá o nome completo da pessoa e pode esperar por aqui mesmo ou até naquela lanchonete, tomando um suco. Eu vou até o escritório e já volto com a papelada. Você só me paga quando eu te entregar a papelada”, explica.

Questionado pela reportagem se poderia passar o número do CRM dos profissionais usados no atestado e na receita, antes de contratar o serviço, a fim de verificar se são mesmo verdadeiros, o negociador targiversa.

“Esse número fica com o cabeça [do esquema], que faz os atestados, eu não tenho aqui. Mas pode ficar sossegada que é firmeza. Desde que liberaram pra vacinar o pessoal com doença, a gente vende uns dez desses todo dia. Nunca deu problema. E quem compra não é pobre, não. Quem tem 200 contos pra dar hoje em dia, né?”

A reportagem ainda presenciou outras duas pessoas procurarem pelos atestados falsos na manhã de quarta. Uma delas desistiu ao saber do preço. A outra falou que estava verificando o valor do serviço para a irmã, que é bancária e “precisa se vacinar urgentemente, porque atende público todos os dias”. A Folha não adquiriu os documentos falsificados.

Caso será apurado, diz secretaria da segurança A Secretaria da Segurança Pública afirmou que as polícias Civil e Militar fazem ações constantes na região e que o caso apontado pela reportagem será investigado.

No último dia 11, informa a pasta, “um homem envolvido com a venda de atestados falsos foi preso por policiais da 1ª Seccional. Com ele foram apreendidos atestados irregulares já assinados. As investigações continuam.”

A secretaria ainda destaca que é imprescindível o registro do boletim de ocorrência para investigação dos fatos e que a PM atua na região, “de forma preventiva e ostensiva, por meio da Operação Marco Zero, em conjunto com diversos órgãos, como Secretaria de Justiça, Polícia Civil, Guarda Civil Metropolitana, Subprefeitura Sé, Secretaria de Desenvolvimento Social e outros.”

Suspeitando de possíveis fraudes, a Secretaria de Estado da Saúde afirma que enviou ao Cremesp (Conselho Regional de Medicina de São Paulo), na última sexta-feira, uma lista com nomes de cem médicos que mais emitiram laudos, exames e receitas médicas para a vacinação de pessoas com comorbidades, segundo dados do Vacivida. A informação foi revelada pela colunista Mônica Bergamo.

Em nota enviada à Folha, o Cremesp afirma que “está investigando casos relacionados à emissão de atestados para vacinação contra covid-19 e as investigações tramitam sob sigilo determinado por Lei”.

O conselho ainda afirma que “o Código de Ética Médica, em seu artigo 80, veda a expedição de documento médico sem ter praticado ato profissional que o justifique, que seja tendencioso ou que não corresponda à verdade. As penalidades decorrentes de infração ética vão de uma advertência confidencial em aviso reservado à cassação do exercício profissional”.

A gestão Doria (PSDB) ainda destaca que “conta com a colaboração e conscientização da população e dos profissionais de saúde para respeitar a ordem de vacinação estabelecida pelo PEI (Plano Estadual de Imunização)” e que a gestão e aplicação de doses e de responsabilidade dos municípios.

Já a Secretaria Municipal da Saúde informou, por meio de nota, que os profissionais das unidades de saúde foram orientados a checar o documento de identificação original, bem como os dados dos munícipes para imunização contra a Covid. “Também foram orientados a fazer o registro no sistema Vacivida em tempo real, a fim de evitar casos de vacinação em pacientes já imunizados.”

PUBLICIDADE
- PUBLICIDADE -

SIGA/CURTA

28,870FãsCurtir
3,337SeguidoresSeguir
1,597SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever

VEJA TAMBÉM

GCM comemora 15 anos de patrulhamento com cães policiais

Guarulhos comemorou o aniversário de 15 anos da criação da Inspetoria de Patrulhamento com Cães da Guarda Civil Municipal (GCM) nesta quinta-feira (30) em...

Governador anuncia centro de transplantes de medula óssea no Instituto do Câncer de SP

O governador Rodrigo Garcia liberou nesta sexta-feira (1º), na capital, R$ 7,5 milhões para a implantação da Unidade de Transplantes de Medula Óssea (TMO)...

Guarulhos está na 28ª posição no ranking Isto É de Melhores Cidades do Brasil...

Entre os 5.565 municípios do Brasil, Guarulhos ficou na 28ª posição no índice geral dos indicadores fiscais no “Ranking Isto É – As Melhores...

Lanchonete Mundo Animal abre 75 vagas de empregos em Guarulhos

A lanchonete  Mundo Animal está com 75 vagas abertas na nova unidade que está abrindo em Guarulhos. "Estamos sempre em busca de pessoas esforçadas e...

Governo de SP reduz ICMS do gás de cozinha

O Governo do Estado de São Paulo reduziu a base de cálculo do ICMS na comercialização de gás de cozinha no sábado (2). Com...