sábado, 27 novembro 2021
- PUBLICIDADE -
InícioCIDADANIADoméstica resgatada de trabalho escravo receberá mais de R$ 300 mil de...

Doméstica resgatada de trabalho escravo receberá mais de R$ 300 mil de indenização

Uma empregada doméstica vai receber mais de R$ 300 mil de indenização em acordo homologado nesta quinta-feira (21/10) pela Justiça do Trabalho. A proposta foi construída com a participação da Defensoria Pública da União (DPU), do Ministério Público do Trabalho (MPT) e do Ministério Público Federal (MPF). 

Em junho deste ano, após denúncias anônimas, ela foi resgatada de situação de trabalho análogo à escravidão, a qual foi submetida por 25 anos em São José dos Campos (SP). Na ocasião do resgate, a trabalhadora foi encaminhada a um abrigo municipal, e o empregador, preso em flagrante.

Em relação aos direitos individuais, o acordo garantiu à mulher de 46 anos o valor de R$ 200 mil para a compra de uma casa e 80% do valor relativo aos salários dos últimos cinco anos de trabalho, o que corresponde a cerca de R$ 70 mil. 

A conciliação também garantiu, entre outros itens, uma pensão no valor de um salário-mínimo pelo período de cinco anos e o pagamento da contribuição facultativa ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) pelos próximos cinco anos, que cessará caso a trabalhadora estabeleça vínculo de emprego. Além disso, à época do resgate, a vítima já havia recebido o pagamento da rescisão trabalhista de aproximadamente R$ 22 mil e a regularização do vínculo laboral dos últimos 25 anos junto ao INSS.

Trabalho análogo à escravidão

Aos 13 anos de idade, a mulher começou a prestar serviços à família da mãe da atual empregadora. Na última residência, trabalhou de setembro de 1996 até o dia do resgate. Segundo as provas angariadas no inquérito do MPT, a vítima sofria restrição de liberdade. Por mais de duas décadas, foi impedida de qualquer convivência social e trabalhava em jornada exaustiva, de segunda a domingo. 

Nas viagens da família, era levada para que pudesse manter a prestação de serviços mesmo durante os momentos de lazer dos empregadores. Sobre salário, o empregador alegou que era pago em conta corrente da mãe da vítima, com quem ela não mantinha contato próximo. Ou seja, na prática, a trabalhadora não recebia qualquer remuneração.

Em abril de 2021, a Polícia Militar recebeu denúncia de maus tratos em uma residência de São José dos Campos. Esteve no local e lavrou um boletim de ocorrência para investigações posteriores. Em junho, a procuradora Ana Farias Hirano obteve uma decisão cautelar para ingressar no domicílio. 

O MPT, pela procuradora Catarina von Zuben, em conjunto com auditores fiscais do Trabalho e Polícia Federal, e funcionários do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) foram à casa e comprovaram as irregularidades, sendo o empregador preso em flagrante e a empregada encaminhada a um abrigo municipal.

O acordo

A DPU foi procurada por representantes do MPT e do MPF com o objetivo de atuar no caso para garantir os direitos individuais da trabalhadora. O acordo firmado entre as partes foi subdividido em três cláusulas com especificidades de atuação das instituições. A cláusula de “ressarcimento à vítima” foi atribuição da Defensoria Pública da União; o item “termo de ajustamento de conduta trabalhista”, do Ministério Público do Trabalho; e a parte de “acordo de não persecução penal”, do Ministério Público Federal. Atuaram em conjunto na construção do documento o defensor público federal Djalma Pereira, a procuradora do Trabalho Ana Farias Hirano e o procurador da República Fernando Lacerda Dias. A defensora Hellena Pintor Bezerra Leite participou do ato de homologação.

“Foi muito importante a participação das três instituições no caso – DPU, MPT e MPF –, cada uma focada nas suas especialidades, pois a atuação em harmonia permitiu a rápida resolução do conflito, restando clara a necessidade de a DPU participar cada vez mais desse tipo de ação integrada com os demais órgãos, uma vez que dentre suas atribuições está a defesa da vítima e a busca de seus direitos individuais”, destacou Djalma Pereira.

“O trabalho conjunto entre as instituições garantiu o melhor desfecho possível para garantir direitos que podem ser usufruídos de forma imediata, sem a necessidade de tramitação judicial. Contudo, é importante pontuar que nenhum dinheiro no mundo será capaz de reparar a perda de 25 anos vivendo em condições análogas à escravidão, mas ao menos propiciará condições mais confortáveis de vida à trabalhadora daqui para a frente”, afirmou Ana Farias Hirano.

“Foi um trabalho coordenado entre MPF, MPT e DPU, com apoio da Prefeitura Municipal, que ainda fornece abrigo e apoio à vítima”, explicou Fernando Lacerda Dias. “O acordo viabilizou amplo ressarcimento à vítima, que vai ter condições de retomar sua vida plena e autônoma, mas também garantiu segurança jurídica aos investigados, com encerramento de possíveis demandas individual, coletiva trabalhista e penal. Acho que o resultado foi bom para todos”, avaliou o procurador da República.

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

SIGA/CURTA

28,891FãsCurtir
1,510SeguidoresSeguir
1,491SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever

VEJA TAMBÉM

Inscrições abertas para os cursos de Pós-Graduação da FECAP

A Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) está com inscrições abertas para as turmas de Pós-Graduação do primeiro semestre de 2022. Os interessados em um...

Circo Marambio apresenta espetáculo na Avenida Tiradentes neste domingo

Palhaços, malabaristas, equilibristas, números aéreos e muitas acrobacias, em um espetáculo de verdade para o público de todas as idades agora na Avenida Tiradentes....

Parque Júlio Fracalanza lança campanha de conscientização para donos de pets

Quem já pisou em um cocô de animal enquanto caminhava pela rua sabe muito bem como é desagradável essa situação. Pensando nisso, o Pet...

Estreia nacional de Rusalka encerra Festival de Ópera de Guarulhos no domingo

No encerramento do 1º Festival de Ópera de Guarulhos, que acontece no próximo domingo (28), às 19h, a Orquestra Gru Sinfônica apresenta no Teatro...

Presidente diz que Brasil e o mundo não aguentam um novo lockdown

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (26) que o Brasil e o mundo não aguentam um novo lockdown, ao comentar sobre a possibilidade da chegada...