domingo, 28 novembro 2021
- PUBLICIDADE -
InícioDESTAQUECOP26: mais de 40 países aderem a aliança para eliminação do carvão

COP26: mais de 40 países aderem a aliança para eliminação do carvão

São mais de quatro dezenas os países que se juntam à maior aliança internacional com o objetivo de eliminar progressivamente o carvão das políticas energéticas. Um deles é a Ucrânia, detentora do terceiro maior parque industrial dependente desse recurso energético, depois da Alemanha e da Polônia. A China, os Estados Unidos e a Austrália ficam, por enquanto, fora do compromisso anunciado na última noite.

Além dos mais de 40 países que se comprometeram, na Cúpula do Clima (COP26), em Glasgow, na Escócia, com a eliminação do carvão, 11 instituições financeiras farão parte da aliança. Os números foram divulgados nas últimas horas pelo governo do Reino Unido.

Ainda assim, alguns dos países mais dependentes do carvão como fonte energética, entre eles a China, Austrália e os Estados Unidos, não se comprometeram com essa aliança. O governo ucraniano compromete-se a limitar a produção de carvão até 2035. Outros países, como o Chile, Singapura, Azerbaijão, Eslovênia e Estônia pretendem chegar ao mesmo objetivo dentro de 15 anos.

Os signatários da aliança internacional comprometeram-se, concretamente, a barrar todos os investimentos – internos ou externos – em políticas energéticas assentadas no carvão.

Chegaram ainda a acordo para recuar progressivamente na utilização desse recurso na década, com início em 2030 para as maiores economias mundiais, e a partir de 2040, para os países menos desenvolvidos.

“Fim do carvão à vista”

O secretário de Estado britânico para a Energia e Negócios, Kwasi Kwarteng, chegou a afirmar que o fim do carvão está à vista. “O mundo avança na direção certa, pronto para selar o destino do carvão e abraçar os benefícios ambientais e econômicos de construir um futuro alimentado a energia limpa”, destacou o secretário, citado na edição online da BBC.

Todavia, o secretário de Estado, o trabalhista Ed Miliband, citou o que considera serem as brechas abertas por países como a China, entre os maiores emissores de poluentes do planeta.

Miliband disse também que o governo britânico, anfitrião da COP26, deixou que “outros se safassem”.

“Muito aquém”

Juan Pablo Osornio, à frente da delegação da organização ambientalista Greepeace na COP26, advertiu que o texto do compromisso “continua muito aquém da ambição que é necessária quanto aos combustíveis fósseis nesta década crítica”.

“As letras pequenas [do acordo de aliança] parecem dar aos países uma enorme margem de manobra para escolher o seu próprio calendário, apesar do cabeçalho luminoso”, acrescentou.

Globalmente, em 2019, o carvão gerou cerca de 37% da energia elétrica.


*Com informações da Agência Brasil

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

SIGA/CURTA

28,891FãsCurtir
1,510SeguidoresSeguir
1,491SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever

VEJA TAMBÉM

STF julga exigência de comprovante de vacina por empresas

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia nesta sexta-feira (26) o julgamento da portaria do Ministério do Trabalho que proíbe a exigência do comprovante de...

Ponto de Entrega Voluntária passa a se chamar Ecoponto Guarulhos

Para simplificar e alinhar a identificação do serviço com os termos utilizado por diversas capitais do país, inclusive São Paulo, os locais conhecidos como...

Segundo dia de aplicação do Enem é amanhã

Amanhã (28) os participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021 farão as provas de matemática e ciências da natureza. As provas serão...

Feira de adoção de pets na Associação dos Rotarianos acontece no sábado

O Departamento de Proteção Animal (DPAN) de Guarulhos realiza neste sábado (27), das 13h às 16h, evento de adoção de cães e gatos e...

Proguaru atende queixa do Click e tapa buraco no Jardim Adriana

O leitor Márcio dos Santos Porfírio utilizou o canal Vc Repórter do Click Guarulhos (WhatsApp 98849-7425) para reclamar de um buraco na rua Astrogildo Lucas...