PUBLICIDADE
InícioDESTAQUEO que causou o terremoto na Turquia e Síria?

O que causou o terremoto na Turquia e Síria?

Publicado em
PUBLICIDADE

O número de mortos nos abalos ocorridos na Turquia e na Síria passa dos 20 mil. Os países se encontram em uma verdadeira corrida contra o tempo, pois são consideradas críticas as chances de ainda encontrar pessoas com vida. Por isso, cada salvamento é muito comemorado pelos socorristas e pelos parentes.

Desde a madrugada de segunda-feira, a Turquia registrou mais de 280 tremores secundários e outros abalos mais fortes. As autoridades turcas estimam que a quantidade de prédios destruídos pode chegar a 11 mil. O presidente Recep Tayyip Erdogan decretou estado de emergência em 10 províncias pelos próximos 3 meses, além de abrir hotéis para receber desabrigados e agradecer o apoio da comunidade internacional. Na Turquia e na Síria, mais de 23 milhões de pessoas foram afetadas, sendo 1.400.000 apenas crianças.

O que causa o terremoto?

 

Com a magnitude de 7.8, o ocorrido levanta dúvidas sobre como esses tremores se manifestam e quais são as consequências para a região afetada. Os terremotos acontecem devido ao encontro das placas tectônicas que compõem a crosta terrestre. As regiões próximas destes encontros possuem terremotos ou maremotos (nos oceanos) com maior intensidade e maior frequência.

De acordo com Marcos Dihl, professor de geografia do Colégio Adventista de Santo André, os terremotos ainda não são possíveis de prever ou antecipar para que haja um plano de evacuação com antecedência, como ocorre no caso de eventos climáticos como furacões ou tempestades.

“O número de mortos e feridos não está tão relacionado com a intensidade dos tremores, mas sim a fatores como tipo do relevo da região, qualidade das construções, horário em que ocorre o tremor e se a região possui planos emergenciais”, explica.

No caso da Turquia e da Síria, a região possui o encontro das placas tectônicas Euroasiática, Arábica, Africana, Anatólia e do Mar Egeu. O terremoto da segunda-feira teve o seu epicentro próximo das placas de Anatólia e Arábica.

“As construções da região, que não são preparadas para enfrentar este tipo de tremor, levam a um maior número de desabamentos. O fato de o tremor ter ocorrido de madrugada enquanto muitos dormiam também aumenta a tragédia, bem como o clima frio que também dificulta as buscas e diminui a expectativa de se encontrar sobreviventes a cada minuto que passa”.

De acordo com o professor, por ser uma região subdesenvolvida e com problemas de infraestrutura nas construções e serviços de saúde, a tendência é que a população tenha grandes problemas para se restabelecer.

“Muitos podem se deslocar para outros locais dentro da própria Turquia buscando refúgio em outras regiões enquanto os lugares atingidos sejam reconstruídos. Isso não costuma ser rápido e amplia as diferenças sociais na região”, aponta.

“A Síria, por exemplo, já enfrenta uma grande crise de refugiados desde 2011 com a Primavera Árabe e depois com a invasão do grupo terrorista Estado Islâmico. Esse terremoto irá contribuir para o aumento do deslocamento de refugiados nas regiões afetadas”.

O professor destaca que, quando abordado em sala de aula, o tema vai muito além do ensino e traz ao aluno um olhar empático sobre as diferentes realidades presentes nos outros países.

“Além de mostrar imagens sobre as placas tectônicas para ajudar na hora de contextualizar, é sempre importante fazer uma comparação com outros tremores para explicar que a infraestrutura dos diferentes lugares é o fator decisivo na hora de salvar vidas”, finaliza.

Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE
Redes Sociais
28,870FãsCurtir
3,337SeguidoresSeguir
1,683SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever
PUBLICIDADE

Últimas publicações

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE