PUBLICIDADE
InícioCANAISTECNOLOGIAFake news ou desinformação: Saiba como identificar

Fake news ou desinformação: Saiba como identificar

Publicado em
PUBLICIDADE

Na era da desinformação, com difusão em larga escala de fake news, pode ser difícil separar a verdade da mentira e, como definiu São Tomás de Aquino, adequar “o pensamento à coisa real”. Veja abaixo algumas dicas para identificar o que é notícia de fato e o que pode ser um conteúdo falso ou enganoso: 

Títulos chamativos ou bombásticos

As chamadas fortes, que apelam à emoção, são uma das principais características das fake news. O objetivo é estimular o compartilhamento da mensagem com o máximo de pessoas. Muitas vezes, o título é enganoso e não corresponde ao restante do texto. Nunca leia só o título e confira se o fato foi noticiado em outros veículos. Muitos memes com informações falsas também costumam ter títulos bombásticos com letras grandes. 

Erros ortográficos ou gramaticais

 

Se o texto está cheio de erros ou mesmo se tiver apenas um erro grosseiro, desconfie. Veículos profissionais têm equipes que revisam o texto e as informações antes de publicar; nesse momento, normalmente eventuais erros são eliminados.

Textos opinativos como se fossem notícia

Em jornalismo profissional, artigos opinativos são assinados por seus autores, cuja opinião não se confunde com a do veículo. A opinião do veículo é expressa em editoriais identificados como tal. Textos noticiosos devem ser neutros. Se a suposta notícia traz opiniões disfarçadas no meio do texto, não é isenta — vá atrás de outras fontes sobre o assunto. Atenção: uma coisa é apresentar a opinião de entrevistados na reportagem, outra é embutir a opinião no meio do texto para tentar manipular quem lê.

Sites ou canais desconhecidos

Não necessariamente uma notícia publicada por um site ou canal desconhecido é mentira, mas convém checar se outros veículos mais conhecidos também publicaram. Se o fato for relevante e verdadeiro, a grande imprensa com certeza irá noticiar. Do contrário, isso iria ferir a credibilidade dos veículos, que é o seu maior ativo. Nenhum jornal, TV, rádio ou site profissional quer tomar um “furo”, ou seja, não noticiar algo real e importante que foi publicado pelos concorrentes. Muito menos cometer uma “barriga”, ou seja, divulgar uma informação equivocada.

Notícia verdadeira, mas antiga

Muitas vezes, há divulgação de notícias verdadeiras, mas descontextualizadas, divulgadas como se tivessem ocorrido recentemente, o que pode provocar desinformação. Sempre veja a data de publicação. Se a suposta notícia não tiver data, faça uma busca na internet para saber quando o fato ocorreu (e se realmente ocorreu).

URL falsificada

Preste muita atenção na URL, o endereço em que a notícia está de fato publicada. É comum os criadores de fake news divulgarem um link que aparentemente remete a um veículo tradicional, mas que na verdade direciona a um site onde o conteúdo falso está publicado. No computador, basta pousar o mouse em cima do link, antes de clicar, que a URL real aparece em miniatura no pé da página. No celular, pressione o dedo em cima do link e segure por alguns segundos até visualizar a URL na tela do aparelho.

Consulte agências de checagem

Os conteúdos mentirosos que viralizam costumam ser desmentidos por agências de checagem de notícias. Se recebeu algo que despertou dúvida, consulte essas agências para ver se há algum desmentido sobre o assunto. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem a página Fato ou Boatojusticaeleitoral.jus.br/fato-ou-boato/, que integra o Programa de Enfrentamento à Desinformação. Outras agências de checagem são parceiras do programa (clique em “Instituições”). O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) também tem uma página com desmentidos relacionados ao estado.

Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE
Redes Sociais
28,870FãsCurtir
3,337SeguidoresSeguir
1,683SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever
PUBLICIDADE

Últimas publicações

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE