Temporal derruba árvore no Jardim Vila Galvão; moradora já havia alertado SEMA sobre risco

Moradora de uma das casas atingidas pela queda da árvore já havia solicitado poda em agosto de 2018 - Foto: VC Repórter

O temporal que desabou sobre Guarulhos na noite desta segunda-feira, 25, causou apagão em diversos bairros, além de derrubar muitas árvores. No entanto, na rua Diogo Botelho, no Jardim Vila Galvão, a queda de uma árvore de grande porte poderia ter sido evitada, caso a solicitação de uma morada, Marlene Servino, formalizada no Fácil e direcionada à Secretaria de Meio Ambiente (SEMA), em agosto de 2018, tivesse sido atendida com atenção e eficiência.

No dia 30 de janeiro, a internauta Inês Gomes, moradora da rua Diogo Botelho, 104, que fica numa travessa da avenida Emílio Ribas, no Jardim Vila Galão, envio ao Click Guarulhos fotos, seguida da seguinte mensagem: Acabei de ver uma notícia sobre a queda de uma árvore e morte de um homem. “Não tenho mais a quem recorrer, a não ser a vcs. Em frente à minha casa tem uma árvore enorme, que não está nada segura. Minha irmã fez um pedido no Fácil, para que venham podá-la, mas até agora nada. Com os temporais como esses que estão ocorrendo, é muito perigoso e com certeza, se essa árvore cair, o estrago será grande, pois atingirá casas, incluindo um ponto de ônibus que fica bem próximo. Infelizmente a Prefeitura só aparece quando acontece a desgraça”, desabafou.

Em tom profético, na manhã desta terça-feira, 26, a moradora fez um novo desabafo, além de um segundo alerta: “Segue foto do descaso da Secretaria do Meio Ambiente. Três casas foram atingidas (com a queda da árvore) e agora eu pergunto: pra quem fica o prejuízo?”, questionou. “Vocês fizeram uma matéria e o resultado do descaso veio ontem (à noite). Estou indignada. Se essa cair (foto abaixo), pensa no desastre”, alertou Inês novamente.

“Moro na rua Brigadeiro Lima e Silva, travessa da Diogo Botelho. Estamos sem luz até o momento, há mais de 36 horas. Ligo na EDP e a resposta é que não há previsão de restabelecer a energia”, disse o internauta Marcos Aurélio.

Moradora teme que árvore ao lado da que caiu tenha o mesmo fim na próxima chuva – Foto: Inês/VC Repórter

Outro lado
Encaminhamos questionamentos à Secretaria de Meio Ambiente (SEMA).
Segue abaixo a resposta: “Na ocasião (30 de janeiro) foi informado que o serviço estava na programação, porém, diante do grande número de solicitações, não houve tempo hábil para realização do mesmo.”
Complemento da resposta: “Em atenção à demanda, a Secretaria de Meio Ambiente informa que todas as solicitações registradas na Central Fácil estão sendo atendidas, porém não é possível precisar datas já que não se pode prever o tempo que cada poda levará para ser concluída, o que costuma variar bastante. Sobre as ocorrências de ontem, a equipe da Sema está nas ruas para apoio às ações de limpeza e outras que se fizerem necessárias. Mais detalhes, como número total de árvores caídas, serão enviados no fim da tarde.”