Por Jônatas Ferreira
Fotos de Rafael Almeida

Composto por ginásio poliesportivo, duas quadras externas, campo de futebol e pista de atletismo, o Estádio Municipal Arnaldo José Celeste, ou Ponte Grande, como é conhecido, por conta do bairro, é o filho mais velho de Guarulhos e o único ginásio do tipo em pleno funcionamento na cidade. Foi palco de grandes alegrias, conquistas e atletas de renome. Entretanto, vinha sofrendo uma lenta, porém, progressiva degradação que quase o deixou às traças.

Em 2015, ano em que o equipamento comemorou 40 anos de construção, a Folha Metropolitana trouxe, em edição do dia 6 de julho, matéria cujo título era: “Ponte Grande resiste à decadência do esporte”. Nela, o repórter Rômulo Magalhães lamentou a trágica situação em que se encontrava o próprio municipal.

O restante dos ginásios de Guarulhos deixou de ser usado para sua principal função: o esporte. É o caso do Fioravante Iervolino, às margens da Dutra, cedido de forma polêmica para um moto clube, que até o fim do ano passado ocupava o lugar. Além de palco de tradicionais competições, era referência no esporte amador. Seu estado ainda é comovente para todos os que um dia frequentaram o ginásio. No asfalto, de frente com os portões de entrada, a frase que intitula esta reportagem: “Aqui já existiu uma escola de craques”. Clara menção à importância dos espaços públicos esportivos de Guarulhos na formação de atletas iniciantes e, sobretudo, de cidadãos.

Um grupo de estudantes de Jornalismo produziu como Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) um documentário que revelou a decadência em que o esporte guarulhense estava. As tristes imagens podem ser vistas no link: youtu.be/yv1S8o7u-Do.

Não muito distante disso, a revista Weekend trouxe como matéria de capa da edição 342, que circulou no dia 5 de agosto de 2016, reportagem que teceu uma série de críticas quanto à falta de sensibilidade daqueles que detinham o poder.

Estamos próximos do fim de 2017 e será houve mudanças? A equipe da Weekend percorreu os ginásios da cidade para saber em que condições eles estão. Na questão estrutural, pouca coisa mudou, com exceção da Ponte Grande, que recentemente passou por uma reforma. Ainda assim, os dias são outros. Longe, é claro, dos tempos áureos em que a cidade era considerada a capital do esporte amador.

Parte dos troféus conquistados pelas equipes do Ginásio Bonifácio Cardoso.

Um rolê pela cidade

Durante a campanha eleitoral, o atual prefeito Guti traçou metas de governo sob o mantra “Fazer funcionar o que Guarulhos já tem”. Em oito meses, avanços aconteceram no esporte, apesar de a nova administração ter herdado uma cidade problemática, com um orçamento comprometido.

A primeira atitude da administração foi a de promover mutirões de reformas nos espaços esportivos. O primeiro a receber as benfeitorias foi o Fioravante. O local já foi ponto de drogas e ‘abrigo’ para moradores em situação de rua. Foi cedido a um moto clube justamente para evitar situações como essa. Ao ser devolvido para a municipalidade, no início do ano, lixo, sujeira, janelas quebradas, telhados com buracos e até mesmo faltando, vestiários abandonados, poeira na quadra e fiação exposta eram alguns dos problemas encontrados. Pelo menos 500 pessoas cooperaram para revitalizar o local, mostrando que o esporte pode trazer união.

A equipe da Weekend encontrou o ginásio com as portas fechadas e, portanto, não foi possível acessar o seu interior.

Já o Centro Social Esportivo João Carlos de Oliveira, popularmente chamado de João do Pulo, e que conta com um ginásio poliesportivo, três quadras externas de uso livre à comunidade, campo de futebol e piscina de 25 metros coberta, tem uma aparência de abandono e depredação. Apesar disso, o local ainda é utilizado pela população na parte de fora. Sua principal atração – a piscina – está desativada por falta de energia, que é a principal dificuldade do ginásio, devido à condenação da caixa de energia do complexo.
O complexo também recebeu o mutirão da Prefeitura. Além disso, a nova gestão reafirmou no início do ano uma antiga ideia de transformar o João do Pulo em uma unidade do Centro de Educação Unificado (CEU).

O da Ponte Grande foi o que mais surpreendeu a equipe da Weekend. Assim que chegamos, equipes da Proguaru executavam obras para pavimentação do estacionamento, bem como inclinações para a captação de águas pluviais e a drenagem do solo. Meses antes, o ginásio também passou pelo mutirão de revitalização da Prefeitura.

Durante a nossa visita, a equipe de vôlei Corinthians-Guarulhos, motivo de boa parte das readequações do equipamento, treinava. Entre as mudanças, toda a troca de iluminação da quadra poliesportiva e a transformação de um antigo corredor em almoxarifado e escritório para a equipe. No dia 4 de setembro, a Ponte Grande recebeu os jogadores da seleção brasileira de voleibol masculino, que fizeram os treinamentos no local.

Quadra externa do Ginásio da Ponte Grande

Em anos anteriores, o ginásio enfrentava dificuldades com inundações da quadra em dias de chuva. O espaço chegou a ser interditado pela Prefeitura, pois tinha placas do piso levantadas e as calhas estavam comprometidas. Segundo funcionários, esse problema também foi resolvido. Na pista de atletismo e no campo de futebol as lâmpadas também foram trocadas.

A Weekend questionou o subsecretário de Esportes, Iltonjorge de Assis Roque, o Professor Tom, sobre o espaço às categorias de base na Ponte Grande. Ele confessou que os horários estão apertados, mas garantiu que todos podem treinar no local.

A sociedade com o Corinthians é exemplo do que está previsto no plano de governo do prefeito Guti sobre utilizar parceria privada para viabilizar as melhorias para os equipamentos públicos. No entanto, o ginásio ainda não está ideal. A parte externa, onde estão as quadras, aparenta abandono. À Weekend, a Prefeitura informou que está desenvolvendo estudos de viabilidade para a cobertura.

O Thomeozão continua com problemas com o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB). Sua reforma está orçada em R$ 6 milhões e está em fase final de documentação para que se dê início aos trabalhos. A verba virá de emendas federais e estaduais já aprovadas. A subsecretaria de Esporte tem expectativas de que, até o final do primeiro semestre de 2018, o tradicional complexo, que já foi palco de grandes shows e competições, esteja em efetiva atividade.

Vale lembrar que o ginásio do Bom Clima tem capacidade para receber sete mil pessoas. O espaço está cotado para sediar jogos do Corinthians-Guarulhos.

A Weekend também visitou o Ginásio Bonifácio Cardoso, voltado à ginástica artística e rítmica. O local é referência na modalidade e recebeu em janeiro novos equipamentos para os alunos como trampolim, trave e paralelas. A última troca tinha sido feita em 2008.
Em maio do ano passado, o portal Click Guarulhos relatou a precária situação em que o espaço encontrava-se: dominado por pombos. Na época, as aves defecavam até na piscina de espumas. Contudo, esse problema também foi resolvido. Em uma nova visita a equipe constatou que os vidros foram trocados e telas de proteção foram colocadas. Atualmente, o ginásio conta com 362 meninas e 40 meninos, totalizando 402 alunos. No ano passado, 250 crianças e adolescentes treinavam no local, segundo a Prefeitura.

Para o professor Orlando Russin, de 54 anos. “O esporte envolve aqueles que participam”, conta o profissional, que tem expectativas de as atividades no espaço voltarem a serem o que eram.

O ginásio Bonifácio Cardoso é referência em São Paulo e até mesmo no Brasil. Responsável por descobertas de talentos, inclusive, da atleta Rebeca Andrade, que disputou as Olimpíadas do Rio.

Vale ressaltar que as revitalizações promovidas na Ponte Grande e João do Pulo, custaram aos cofres públicos R$ 62 mil, além do recebimento de doações de materiais.

Houve avanços

A centelha que reascendeu a esperança da antiga cidade do esporte amador foi a volta de Guarulhos aos Jogos Regionais. Foram quatro anos fora das tradicionais competições. A cidade disputou nove modalidades e doze categorias, com envolvimento de cerca de 120 pessoas. A participação se deu por parcerias privadas e pouco custou aos cofres municipais. O saldo da iniciativa foi de 47 medalhas.

As Olimpíadas Colegiais Guarulhenses iniciam neste mês. A abertura está marcada para acontecer na Ponte Grande e terá homenagens a ex-atletas de Guarulhos. Considerada uma das maiores competições estudantis do País, a disputa terá mais de sete mil alunos de 117 escolas, sendo 47 particulares, 69 estaduais e uma municipal. A OCG acontecerá entre os dias 16 e 31 de setembro. Em 2015, chegou-se a cogitar não ter a disputa.

Guarulhos, pela primeira vez, teve um calendário de corridas divulgado com um total de dez eventos. Na época, o diretor de departamento de esporte, Wilson David, disse que o novo planejamento esportivo inclui caminhadas e corridas em diferentes bairros. No entanto, as atividades estão sendo pensadas para os próximos anos.

Outro grande feito do ano foi ser campeã da 21ª Edição dos Jogos Regionais dos Idosos (Jori), com um total de 149 pontos. Guarulhos competiu com 39 municípios e cerca de três mil atletas do Estado de São Paulo. A delegação guarulhense foi composta por 135 atletas. Esta é uma conquista inédita do município.

Sobre a volta dos ginásios, a subsecretária de Esporte acredita que o João do Pulo e o Fioravante estarão em funcionamento até o fim de ano. Para isso, chamamentos públicos já estão sendo preparados. No João do Pulo, por exemplo, os serviços da Bandeirante para que o complexo volte a ter energia já foi feita.

Sobre a utilização dos espaços, quando reabertos, a Prefeitura informou que o Fioravante receberá as modalidades de futsal, handebol e vôlei. Já o complexo esportivo João do Pulo disponibilizará sua estrutura para basquetebol, futsal, natação e hidroginástica. O antigo espaço destinado para a secretaria funcionará como centro administrativo.

Além disso, o número de crianças e adolescentes na iniciação esportiva aumentou consideravelmente, são quase cinco mil praticantes em comparação com quase dois mil de 2015. A piscina do Centro Municipal de Medicina Desportiva e Reabilitação Oswaldo De Carlos (Cemmedroc) foi reinaugurada em março deste ano. O local que é utilizado, principalmente, pela população da terceira idade, estava fechado desde 2015.

Guarulhos comemora também a volta às ligas nacionais de handebol feminino e voleibol masculino. As equipes da categoria de base que disputam o campeonato paulista também aumentaram. Para suprir a deficiência de espaço para treinos, parcerias têm sido feitas. Como exemplo, o Basquete tem treinado na FIG-Unimesp. A Wimpro treina no Sindicato dos Metalúrgicos. Os CEUs também têm sido utilizados. Segundo o subsecretário, a situação dos horários para treinos e outras atividades esportivas ficará melhor com a volta dos outros ginásios poliesportivos.

Esporte é garra dentro e fora de campo

“A maior função do esporte é transformar crianças em homens”. Essa foi uma das muitas frases que o subsecretário de Esporte, Professor Tom, disse, entre lágrimas, à Reportagem da revista Weekend sobre os benefícios que as pessoas têm, sobretudo crianças e adolescentes, ao se envolverem com o esporte.

Tom anda pelos corredores da sede da Pasta estampando em seu peito insígnias que recebeu em homenagem aos serviços prestados pelo esporte ao longo de seus 26 anos como professor de Educação Física. Além disso, outras honrarias pessoais e títulos que Guarulhos recentemente conquistou ficam expostos em sua sala. Quando questionado sobre o porquê, ele conta emocionado que tudo representa orgulho, sobretudo experiência.

Subsecretário de esportes Iltonjorge de Assis Roque, o professor Tom

O subsecretário mostrou que amor não falta para resolver os problemas da cidade. Ao lado do diretor, Wilson David dos Santos, a quem Tom demonstra grande estima, a dupla parece querer fazer além daquilo que pode. “Eu estou cansado, confesso. Mas de janeiro para cá, eu não trabalho, eu faço o que eu amo e toda a equipe que trabalha comigo pensa assim. Está difícil. Meu otimismo não pode esconder os problemas, como a situação financeira, mas vamos reerguer o esporte de Guarulhos pelo amor que a gente tem. E não sou só eu, é toda uma secretaria. Nós temos um quadro de profissionais envolvidos com o esporte. São pessoas que trabalharam, que viveram”, conta o subsecretário.

Tom, acompanhado de engenheiros, usou até drones para saber o real estado dos equipamentos de esporte de Guarulhos. A situação encontrada, segundo ele, foi crítica. “Não quero olhar para o passado. Eu recebi do jeito que foi divulgado. Já foram abertas sindicâncias. A partir de agora é olhar para a frente. O que importa é que no nosso plano de governo o esporte tem que acontecer, tanto que o prefeito escolheu pessoas técnicas para administrar a Pasta”, disse. Sobre os planos, Tom conta que pensa em coisas grandes para Guarulhos. Diversos projetos de lei, como o de incentivo de esportes, já está sendo preparado para ir a votação na Câmara.

As dificuldades são inúmeras, sobretudo com a verba destinada à Pasta, que estava com 90% destinado à folha de pagamento. Tom disse que quase 30% foi enxugado. Os problemas são assumidos por Tom. Para driblá-los ele disse que procura emendas parlamentares e parcerias privadas. “É difícil você falar de dificuldade para mim, cara. Eu tenho exemplo em casa. Eu vi meu pai sofrer um acidente. Disseram que ele nunca mais iria andar. Depois eu vi ele ir para um cadeira de rodas. Vi meu pai sair da cadeira e pegar uma muleta. Vi ele largar a muleta, pegar uma bengala e depois andar sozinho. O médico disse que ele iria mancar para o resto da vida. Meu pai falou: ‘eu não vou mancar, eu vou correr’. Ele me chamou pra correr a São Silvestre e eu corri com o meu pai”, relatou Tom, emocionado.

Um grande desejo do subsecretário é trazer o projeto paralímpico do Ministério dos Esportes para a cidade. “Existem muitos sonhos. Se eu for falar todos, você não sai daqui nunca mais”, finaliza.

Muito caminho a ser percorrido

Guarulhos ainda está longe do que um dia a levou a ser considerada capital do esporte amador. Contudo, passos estão sendo dados e a distância, com toda certeza, foi diminuída. Resta esperar o passar dos anos da gestão para saber os reais resultados. Como a Reportagem ouviu inúmeras vezes durante as várias entrevistas feitas para esta matéria: “O esporte pode mudar a vida de uma pessoa”. Exemplos que comprovam isso não faltam.

Corredor do Ginásio da Ponte Grande.