Defesa Civil testou técnicas de salvamentos

A 9ª edição do Desafio Cross da Defesa Civil testou habilidades físicas e técnicas para salvamentos em terra, altura e água no Parque Estadual da Cantareira – Núcleo Cabuçu, nesta sexta-feira (18). Com apoio do Samu, Tiro de Guerra, GCM, Sabesp e NBR Treinamentos, cerca de 50 pessoas percorreram a mata para cumprir procedimentos de socorros.

O grupo foi dividido em doze equipes e a atividade iniciou com a corrida de 1 km, com todos os participantes. O agente de Defesa Civil Ivanildo da Silva acredita que a preparação física é um ponto importante para enfrentar as ocorrências. “Devemos nos preparar fisicamente e psicologicamente para lidar com a época de muita chuva e riscos de desastres naturais, como as enchentes”, explica.

O monitor do Tiro de Guerra, Teodoro Inácio, ficou em 3º lugar na corrida. “Participamos do desafio sempre que podemos. Desta vez foi bem longo: eu e meus companheiros estávamos bem dispostos e foi uma boa corrida”, comemora.

Após a corrida, todos os times continuaram as provas em terra, com o atendimento de primeiros socorros para vítimas de traumas físicos. Com monitoramento do Samu, os participantes fizeram a imobilização das vítimas para transporte em maca. Segundo um dos avaliadores da atividade, Demitrius Bellezo, do Núcleo de Educação Permanente (NEP), o Samu avalia os primeiros socorros de modo técnico, observando se os equipamentos foram utilizados adequadamente e se a abordagem à vítima está dentro das normas exigidas, assim como é feito no dia a dia.

Outro desafio foi em altura, realizado por um circuito em rapel e falsa baiana. O objetivo é compreender o salvamento de vítimas em diversos cenários. “É uma atividade com muitas técnicas para que estejamos preparados e não esqueçamos os procedimentos de segurança”, salientou o instrutor Rodolfo Aquino, instrutor da NBR Treinamentos, que auxiliou a Defesa Civil no oferecimento de equipamentos e montagem da estrutura de cordas.

A atividade foi finalizada com o carregamento de vítima em trilha e o salvamento em água, realizado com botes e equipamentos salva-vidas. “É sempre muito bom interagir com a Defesa Civil e o Tiro de Guerra pelo bem da população. No dia a dia, podemos participar de ocorrências como as que foram simuladas hoje. Aqui adquirimos habilidades para enfrentá-las”, enalteceu Graciele Santos, bombeiro civil do Arco de Fogo.

Texto: Camila Lopes/ Imagens – Fábio Nunes Teixeira / PMG