Fran Corrêa – PSDB – 45

 

Perguntas comuns a todos os candidatos

  1. Qual sua profissão ou seu meio de sobrevivência?

Sou cirurgiã-dentista por formação, mas meu sustento vem da minha posição de empresária. Após o falecimento do meu pai, Francisco de Assis Almeida – vítima de um infarto, em 2011 -, assumi a gestão dos empreendimentos imobiliários da minha família. Além de preservar o legado paterno, ampliei nos últimos anos os negócios ao lado do meu irmão caçula e dos meus dois sobrinhos – herdeiros da minha irmã, que faleceu precocemente, após lutar contra um câncer.

2) Qual a solução, em seu entendimento, para os moradores em situação de rua, que perambulam pelas praças, espalham detritos e passam uma imagem ruim da cidade?

É preciso ter um diagnóstico mais preciso sobre a população em situação de rua de Guarulhos, até mesmo para entendermos a atual realidade do município nesta seara. De cara, no entanto, percebo a necessidade de se ampliar o serviço social de abordagem, com ações dignas e de qualidade nos encaminhamentos. Também é preciso readequar os centros de acolhimentos temporários, e trabalhar a inserção dessas pessoas à convivência social, bem como à reinserção no mercado de trabalho. Pretendo, ainda, unificar o cadastro dos beneficiários dos programas de transferência de renda a outros serviços municipais, e providenciar levantamento estratégico dos índices de pobreza de Guarulhos, a fim de ampliar os benefícios concedidos – a ideia é diminuir a extrema pobreza. Ainda estão nos meus planos estudar a viabilidade de implantar na cidade um centro de referência de orientação e acompanhamento ao migrante e refugiado, e disponibilizar cadastro para a identificação das condições de vida e origem, capacitação e ingresso no mercado de trabalho.


3) Outras cidades ao longo da via Dutra têm diversas travessias de um lado para outro da rodovia e em Guarulhos não. Há como resolver isso?

É preciso mitigar os efeitos da expansão urbana sobre a mobilidade e a qualidade de vida, e reduzir os custos ambientais e socioeconômicos com os deslocamentos no município. Também defendo a promoção de estudos de viabilidade econômico-financeira e jurídica que garantam à implementação de novas tecnologias que possam melhorar a solução das demandas de Zeladoria. Pretendo, ainda, como prefeita, revitalizar a região central de Guarulhos; buscar auxílio e parceria com associações representativas de regiões impactadas e iniciativa privada para a melhoria dos espaços públicos; e implementar planejamento para uma melhor circulação de pedestres deforma articulada com o sistema de transporte público. E, não menos importante: providenciar obras de acesso às grandes rodovias que circundam a cidade, como Dutra, Fernão Dias, Ayrton Senna e Hélio Smidt. Para tanto, será necessário atuar efetivamente junto à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), à Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) e ao Departamento de Estradas de Rodagem (DER).

4) Todos criticam o excesso de cargos comissionados na Prefeitura, mas sucessivos prefeitos os utilizam para formar base de apoio no Legislativo. Como será sua posição quanto a isso, se for eleito (a)?

Minha meta é economizar entre R$ 150 milhões e R$ 200 milhões nos primeiros meses de governo. E essa economia será revertida em serviços públicos de qualidade para a população. Para tanto, vou rever contratos e, também, cargos comissionados. Importante também fazer a lotação de cargos comissionados de forma técnica. É o que pretendo, inclusive, fazer igualmente com relação a todo o secretariado municipal. Minha proposta é que os “candidatos” aos cargos comissionados da Prefeitura de Guarulhos passem por entrevistas e pela análise de uma comissão que vai aprovar ou não o ingresso. Não podemos usar a máquina como cabide de emprego, afinal. A máquina precisa contar com gente capacitada para bem atender a população, com direito à qualidade, agilidade e dignidade, sobretudo.

5) Enquanto há milhares de famílias sem uma moradia digna, há inúmeros imóveis desocupados sem cumprir função social e boa parte deles com dívidas de impostos. O que pretende fazer nesse sentido?

Reestabelecer os convênios de programa de regularização fundiária junto ao governo estadual para auxiliar na regularização dos núcleos habitacionais implantados em desconformidade com a lei. Também está no meu plano de governo ampliar o convênio com a União para o programa “Minha Casa, Minha Vida”, e dialogar com as entidades da cidade que lutam por moradia. Também vamos trabalhar a regularização fundiária e a urbanização responsável de assentamentos precários. Guarulhos ainda precisa investir num estudo/laudo geológico de áreas de risco. Para tanto, é necessário mapear e identificar áreas de risco para o monitoramento permanente, possibilitando, assim, a atuação mais assertiva da cidade – seja para obras de contenção e estabilização de encostas, seja para a realocação de famílias. E, por fim, vamos analisar cada caso de imóveis vazios em Guarulhos, a fim de verificar a possibilidade de ocupação de função social, tendo, assim, um maior leque de possibilidades para enfrentar o problema.

6) A população queixa-se de falta de médicos nas diversas unidades de Saúde. Sucessivos prefeitos atribuem que muitos médicos só aceitam trabalhar no serviço público enquanto não obtêm algo melhor. Como pretende resolver essa questão?

Nos 100 primeiros dias, vamos colocar 100 novos médicos para trabalhar e atender as pessoas. Hoje, em Guarulhos, temos a menor quantidade de médicos por habitante na Grande São Paulo. Não é possível continuarmos assim. A cidade tem quase 100 médicos a menos trabalhando nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) do que tinha em 2014. E, se formos trabalhar com Organizações de Saúde (OSs), que estas ofereçam serviços de qualidade. Esses dias, mesmo, visitei o Hospital da Criança, e fiquei impressionada ao conversar com uma mãe que estava saindo do local às 23h30, sendo que chegou com o filho para passar com um médico às 16 horas. É um absurdo esperar por mais de sete horas por acolhimento. A atenção básica de Guarulhos, inclusive, nunca esteve tão fragilizada na história recente de nossa cidade. Toda a economia que vamos fazer nos primeiros meses de governo com a revisão de contratos e o número de cargos comissionados será revertida para melhorar a Saúde. A intenção é acabar com a fila para consultas, cirurgias e exames, e com a falta de medicamentos nos postos, também.

Perguntas específicas para Fran Corrêa – PSDB -45

  1. Embora nascida e criada em Guarulhos, fixou residência em São Paulo e é lá que vive. Acha coerente morar em uma cidade e administrar outra?

Tenho orgulho e amor por Guarulhos-SP, cidade onde nasci, estudei e fui criada ao lado dos meus dois irmãos. É onde minha família construiu sua história. É onde meus pais escreveram suas trajetórias. Guarulhos é onde eu trabalho e vivo; é a cidade que deu a mim tudo o que tenho, inclusive meus valores. Portanto, antes de mais nada, sou grata a essa cidade. Aliás, não só moro e trabalho em Guarulhos, como me preocupo com o município – algo que, ao que parece, não é prioridade para muitos agentes políticos locais, infelizmente. Falta de coerência é ser eleito para trabalhar por uma cidade melhor e não fazer por onde. Estou na rua direto ouvindo as pessoas há dois anos, e o que vejo é lamentável.

2) Como ficou a ação relativa a suas terras desapropriadas pelo Rodoanel? Conseguiu reaver os valores que havia recebido e que teve de depositar em Juízo?

O terreno foi desapropriado em 2013 pelo Governo do Estado de São Paulo, visando à construção de parte do Rodoanel. Naquele ano, a área foi avaliada pela Justiça em R$ 40 milhões. Por direito, ou seja, dentro da lei, foi solicitado de imediato o pagamento de 80% do valor. Desta maneira, foram pagos aproximadamente R$ 32 milhões. Três anos depois (2016), a mesma Justiça questionou o laudo que havia avaliado a desapropriação em R$ 40 milhões e solicitou estorno do que já tinha sido creditado. Eu e minha família, então, recorremos, da decisão. Recentemente, um novo laudo foi emitido pela Justiça sobre o caso. O documento dá conta de que o preço oferecido em 2013 estava, de fato, correto. Assim, caso a mais recente decisão do Poder Judiciário não for mais questionada, a esfera estadual é quem deverá pagar o que deve pela desapropriação da área, com direito a juros e correção monetária.

Quem é candidato a vice

José Carlos Maruoka (DEM)

O médico otorrinolaringolojista José Carlos Maruoka tem 52 anos e nasceu em São Paulo-
SP. É neto de um antigo proprietário de olaria da região do Lavras, em Guarulhos-SP. Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Taubaté desde 1986, é especialista em
Otorrinolaringologia. Cursou, ainda, especialização em Medicina do Trabalho na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, e fez MBA em Gestão em Saúde na Fundação Instituto de Administração (FIA) da Universidade de São Paulo (USP).
É sócio-fundador da Associação Paulista de Medicina (APM) e do Sistema Unimed – ambos de Guarulhos. Na cidade, trabalhou no Hospital Stella Maris e no Hospital Carlos Chagas.
Atua profissionalmente no Hospital Nipo-Brasileiro e mantém clínica particular no centro de Guarulhos.
Na Política, foi filiado ao PPS (hoje, Cidadania), legenda pela qual disputou sua primeira eleição para vereador, em 2000. Os pouco mais de 2,3 mil votos obtidos nas urnas naquele ano lhe conferiram a 1º suplência. Já no pleito de 2004, e filiado ao PRP, o médico conquistou 3.681 sufrágios válidos, garantindo, assim, uma cadeira na Câmara Municipal. No Poder Legislativo guarulhense, ficou reconhecido por seu tom conciliador e por defender melhorias no sistema público de Saúde. É de sua autoria, inclusive, a lei que instituiu na cidade um projeto voltado aos homens quanto à prevenção do câncer de próstata.