Eleitores não acham onde votar e site do TSE está instável

 

Aurora Fuziko Noda, uma senhora de 70 anos foi votar e estranhamente o nome dela não constava na lista da seção onde sempre votou.
Ela ficou inconformada. “Eu nem sou mais obrigada a votar, mas gosto, faço questão de exercer meu dever cívico”, afirmou. Conta que ao chegar à seção onde votava, lhe deram para assinar no lugar de outra Aurora, o que ela recusou, naturalmente.
Foi orientada a ir em uma mesa onde havia a lista em ordem alfabética de todos os eleitores que votam naquela escola. O nome também não constava. Indagando como deveria proceder, uma pessoa a serviço do TRE recomendou que ela fosse de sala em sala até achar qual sua seção. Porém, como o nome não estava na lista geral, ela não viu sentido em seguir esse conselho.
Relatada a situação ao Click Guarulhos, postamos no Facebook e diversas pessoas informaram que suas seções foram alteradas da última eleição para agora.

Argumentamos com Aurora que talvez o título tenha sido cancelado, mas ela não crê que isso tenha ocorrido, pois votou em todas as eleições e cadastrou-se na biometria.

SISTEMA INDISPONÍVEL

Com os dados da eleitora, buscamos informações no site do TRE-SP e do TSE. Ambos estão instável; mostram mensagem de que está inopertante, depois de muito tempo acionados. A área de atendimento à Imprensa também está fora do ar. Veja as imagens:


Tentamos ligar para o (061) 3030-7080 de atendimento à Imprensa, mas ninguém atende. Enviamos mensagem à Assessoria de Imprensa do TSE, mas não obtivemos resposta. O número destinado ao público em geral (61) 3030-8700 também não atende. Outra opção foi ligar no 148, número de atendimento ao público do Tribunal Regional Eleitoral de S.Paulo; a resposta audível informa que os ramais estão ocupados e que na fila de espera nossa ligação era a de número 27. Dez minutos depois, não tendo avançado nada, desistimos. Finalmente, quando já estávamos desistindo, a tela do site do TSE mostrou a atual seção de Aurora, na mesma escola.

O portal UOL também relatou problemas semelhantes de eleitores em vários lugares de todo o Brasil.

Conclusão: o TSE fez tanta campanha para que os eleitores não deixassem de votar. O povo atendeu. Porém, o próprio Tribunal não se preparou para a demanda da população.