Simone Carleto – PSOL – 50

 

Perguntas comuns a todos os candidatos



1) Qual sua profissão ou seu meio de sobrevivência?

Sou professora há 20 anos, servidora pública municipal de carreira, concursada, na Prefeitura de Guarulhos, pelo mesmo período, ocupando funções de gerência próprias da carreira e serviços prestados como coordenação de projetos, implementação de políticas públicas, com elaboração, planejamento, execução e gerenciamento de dezenas de projetos. Além disso, fora do meu horário de trabalho na Prefeitura, na qual trabalho atualmente como diretora de escola, escrevo livros didáticos, presto assessoria a órgãos públicos e instituições independentes, como coletivos artísticos, na área de minha especialização que é a educação integral e as artes cênicas, nas quais tenho formação como doutora. Tenho, portanto, ainda carreira acadêmica não remunerada, prestando serviços à comunidade em geral e ao desenvolvimento das ciências, por meio da pesquisa, atrelada ao grupo de pesquisa científica da Unesp, do qual faço parte.

2) Qual a solução, em seu entendimento, para os moradores em situação de rua, que perambulam pelas praças, espalham detritos e passam uma imagem ruim da cidade?

Discordo que quem passa uma imagem ruim da cidade é a população em situação de rua, mas sim quem governa sem se indignar com isso. Temos que ter olhar solidário e humano para essas pessoas, pois são vítimas da barbárie social resultante da falta de políticas públicas, das terceirizações e do abandono da população pelo atual prefeito. Nossa proposta é integrar políticas públicas estabelecendo o cruzamento de dados da população atendida pelas políticas sociais, além de buscar, em conjunto com as pessoas nessas condições, acolhimento e atendimento multidisciplinar, oferecendo formação profissional e possibilidades de emprego para a população em situação de rua, para que se sinta inserida e útil socialmente. O abrigo municipal que existia no centro da cidade foi desativado e a questão dos moradores de rua enfrentada com repressão da Guarda Municipal. As questões sociais devem ser enfrentadas com políticas públicas, recursos e equipamentos

3) Outras cidades ao longo da via Dutra têm diversas travessias de um lado para outro da rodovia e em Guarulhos não. Há como resolver isso?

O município teve seu desenvolvimento marcado pelos transportes: ferroviário; na década de 1950 a via Dutra, que possibilitou a instalação de indústrias importantes, como a Olivetti; na década de 1980, o aeroporto; e contamos ainda com a rodovia Fernão Dias, que liga São Paulo a Minas Gerais. Guarulhos vem se afirmando também com seu potencial logístico. Entretanto, precisamos concluir o trevo do Bonsucesso com efetividade e não com promessas, aprimorar os acessos da via Dutra para diversos bairros, como por exemplo o Jardim Maria Dirce. Os acessos à cidade não são dignos para o tamanho de Guarulhos. Destaco a situação da região de Cumbica, para a qual existiu verba para a construção de um túnel, que proporcionaria ligação compatível com o porte econômico da região. É urgente integrar o transporte público municipal à linha de trem, com corredores de ônibus atendendo os bairros e a população, bem como lutar pela implantação de extensão do metrô até a nossa divisa com Arujá.

4) Todos criticam o excesso de cargos comissionados na Prefeitura, mas sucessivos prefeitos os utilizam para formar base de apoio no Legislativo. Como será sua posição quanto a isso, se for eleita?

Reduziremos o número de cargos comissionados, já que existem assessores I, II, III e IV. Vamos manter apenas os postos I e II, que poderão atender secretário e diretor. Os demais cargos deverão ser ocupados por servidoras (es) de carreira, com cargos específicos. Assim, encerra-se o uso desses cargos como instrumento de poder e direcionamento de interesses. Fortaleceremos servidoras (es) de carreira, melhorando suas condições de trabalho e valorizando essas que se esforçam cotidianamente. É necessário, ainda, abrir concursos, já que até funções como diretor(a) de escola estão sendo usadas como cargos comissionados, o que pode tornar manipuláveis pelo governo as pessoas que assumem cargos nessas condições. As gestões passam e nós, servidoras (es) do quadro, permanecemos. Os procedimentos devem ser padronizados do ponto de vista administrativo, com protocolos nítidos. Inclusive contamos com área de modernização, que desenvolve esse trabalho, e receberá melhores condições para atuação

5) Enquanto há milhares de famílias sem uma moradia digna, há inúmeros imóveis desocupados sem cumprir função social e boa parte deles com dívidas de impostos. O que pretende fazer nesse sentido?

Precisamos modernizar e instrumentalizar a cobrança de impostos existente, principalmente no tocante a grandes devedores. Proporcionaremos estrutura para a cobrança de impostos devidos por grandes proprietários de empresas e de imóveis, principalmente os devedores acima de 500 mil reais. É importante garantir programas de moradia também a partir da exigência de que os imóveis cumpram sua função social, já que muitos funcionam apenas para acúmulo de riquezas e especulação imobiliária. Esse mecanismo enriquece quem já tem muito dinheiro e deixa marginalizada a população mais pobre, acarretando desequilíbrio social. Também outras funções sociais para além da moradia poderão ser atribuídas a imóveis abandonados, podendo ser utilizados para fins educacionais, culturais e sociais, como para criar equipamentos de atendimento com políticas públicas de saúde, cidadania, entre outras.

6) A população queixa-se de falta de médicos nas diversas unidades de Saúde. Sucessivos prefeitos atribuem que muitos médicos só aceitam trabalhar no serviço público enquanto não obtêm algo melhor. Como pretende resolver essa questão?

Na nossa gestão equiparemos todo o sistema público de saúde municipal com médicas (os), enfermeiras (os), especialistas das diversas áreas da saúde, assim como agentes comunitários de saúde, medicamentos, equipamentos para consultas e exames, e todo aparato necessário nas UBSs, UPAS e hospitais. Para tanto, administraremos de modo direto pela Prefeitura, sem terceirização. Precisam haver as condições de atuação, além de programas de estímulo à permanência. A humanização da saúde passa também por inserção de profissionais como enfermeiras (os) obstétricas (os) ou obstetrizes, que nos permitirão acabar com as filas de papanicolau e atendimento na área de ginecologia e obstetrícia, por exemplo. Outra medida é trazer para a universidade pública cursos da área da saúde, pois aquelas que não teriam acesso à formação em medicina poderão se formar e atuar na cidade, com a qual guardam vínculo e cuja realidade conhecem. Portanto, poderão ter empatia e compromisso com a população guarulhense.


Perguntas específicas para Simone Carleto – PSOL – 50

1) Sua experiência administrativa limita-se a gerenciar teatros e como diretora de escola. Entende que isso lhe dá consistência para administrar uma cidade do tamanho e da complexidade de Guarulhos?

Minha vivência e trajetória como servidora, ao contrário do exposto na questão, se expressa nas várias unidades públicas que gerenciei. Participei da elaboração, implementação e gerenciamento de projetos focados na infância, juventude, mulheres e idosos, para além das áreas de educação e cultura, em toda a cidade, durante meus 20 anos de atuação. Trabalhei em equipes intersecretariais na coordenação de programas de sustentabilidade, formação profissional e emprego, voltados à população feminina, em ações de acolhimento, combate à violência, atendimento social e formação integral. Participei de programas como Oficinais Culturais e Pontos de Cultura, que abarcavam toda a cidade, prestando assessoria educacional, artística e cultural. Conheço os bairros e os problemas da cidade, não só através da gestão, como também pelos trabalhos sociais realizados por nossa intervenção nos movimentos sociais e o nosso programa expressa o quanto estou pronta para ser a primeira prefeita de Guarulhos.

2) Como será seu relacionamento com o Legislativo, tendo uma pequena bancada de seu partido, e como formará seu secretariado?

Meu secretariado será formado com 50% de mulheres e 50% de homens, garantindo priorizar demandas das mulheres. Temos excelente quadro de servidoras (es) que poderão e deverão ocupar cargos de direção. É importante que o poder legislativo tenha autonomia para fiscalizar e pressionar o executivo para o cumprimento das leis e atendimento da população com políticas públicas. Nosso programa foi construído de forma democrática, com escuta e diálogo. O título é Governar com o povo para inverter prioridades e manteremos na gestão nossa prática de governar com a população, que poderá participar diretamente das decisões, através da descentralização do poder. Teremos presença nos bairros, que é a maior reivindicação que escuto nas diversas regiões. Afirmamos que a Guarulhos dos nossos sonhos é possível, porque na prática a estamos construindo coletivamente. Agradeço esse espaço e chamo leitoras (es) internautas a conhecer nosso comitê digital simonecarleto.com.br, com as propostas na íntegra.

Quem é a candidata a vice

Eliana Nunes – PSOL

Eliana Nunes tem 50 anos e é professora de Língua Portuguesa na rede estadual de ensino. Sua história política se inicia nos anos 1990 no movimento sindical atuando na Apeoesp, Sindicato dos Professores, e nos movimentos sociais da cidade. Foi liderança de todas as greves da educação estadual desde sua entrada no magistério apoiando inclusive a luta estudantil vitoriosa contra o fechamento de mil escolas proposta por Alckmin em 2015. Atualmente trava a luta em defesa da Educação de Jovens e Adultos e contra a reabertura das escolas durante a pandemia.